SD ou HD? Eis a questão!

Experimentem jogar o primeiro Tomb Raider, o original da Playstation. Passem o menu de entrada, vejam o vídeo de abertura e entrem no jogo. A primeira coisa que vos garanto que vão fazer é usar o manipulo analógico direito para rodarem a câmara à volta de Lara Croft. Pois é, não funciona. Certo? É que essa invenção só iria surgir mais tarde e já muito bom era naquela altura jogar um jogo com cenários e personagens totalmente construídos em três dimensões. A câmara, essa, era controlada pelo jogo. Jogar o mesmo Tomb Raider actualmente é uma experiência curiosa, pois as mecânicas de controle de personagem são ainda muito rudimentares e requerem habituação, numa fase dos jogos em que estamos treinados para a precisão e controle máximos. Porém, algo no jogo faz todo o sentido, pois os gráficos “primitivos” emparelham perfeitamente com as velhas mecânicas. O número reduzido de polígonos, a falta de detalhe dos elementos, as texturas gigantescas desfocadas, tudo se conjuga para sentirmos que estamos a jogar um jogo criado há 15 anos.

A verdadeira inspiração de Cristiano Ronaldo.

 

Entra 2011 e chegou até nós a febre das conversões ou remakes de jogos em HD, de Prince of Persia a God of War, de Splinter Cell a Shadow of the Colossus, passando por Sly Trilogy, por Tomb Raider Trilogy, por Sonic e por muitos outros. E esta não é uma tendência passageira pois 2012 arranca já com as colecções HD de Devil May Cry, Silent Hill e Metal Gear Solid. A indústria descobriu uma nova teta que não tem maneira de secar. A febre do remake passou do cinema aos videojogos, mas esta transição tem um problema grave. No cinema não é só o aspecto gráfico que é actualizado, mas também o conteúdo para se adaptar à nova realidade dos novos tempos. Nos videojogos, o único upgrade até agora levado a cabo é um embelezamento gráfico que em muitos casos se resume a um polimento.

O cinema conhece centenas de remakes ao longo dos últimos anos: Ocean’s Eleven, Cape Fear, Karate Kid são exemplos de filmes que adaptaram a história aos tempos correntes, enquanto outros cuja adaptação mais visível é a evolução nos efeitos especiais como Rise of the Planet of the Apes, I Am Legend ou King Kong têm de adaptar os seus argumentos para que a história faça sentido actualmente, mesmo que a acção se passe noutras épocas. Outros ainda como Clash of the Titans mais valia terem ficado no arquivo, mas o mundo não é perfeito e há muito espaço nas prateleiras.

Qual será o equivalente da adaptação do conteúdo no remake de um videojogo? O grafismo é certamente um dos pontos a melhorar e daí a nomenclatura HD no título dos novos lançamentos. Mas o que deveria ser obrigatoriamente adaptado numa conversão são as mecânicas de jogo. Câmara, controlo do personagem, progressão entre outros devem ser reescritos para os dias actuais sobre pena de o jogo se tornar um híbrido disfuncional. Um bom (ou neste caso mau) exemplo é o remake de Prince of Persia, Sands of Time, onde o polimento gráfico deixou-nos com os mesmo gráficos triangulares com um número baixo de polígonos para os standards actuais mas demasiado polidos para a sua resolução actual. É como se faltasse conteúdo, como se alguns elementos não tivessem sido construídos, como se fosse uma impressão em papel brilhante de um quadro a óleo onde a rugosidade da textura se perde. Há uma sensação de vazio estranho, um sentimento de solidão inexplicável ao longo dos níveis e uma expectativa de que qualquer som emitido irá provocar eco.

O que se passa com as mãos do príncipe? Prince of Persia Arkham City?

 

Os jogos devem ser jogados nas suas plataformas originais para as quais foram criados. Se possível até na própria plataforma. Na minha opinião, mais radical, os jogos não devem levar nenhum polimento gráfico se as suas mecânicas não forem actualizadas também e as conversões em alta definição são o equivalente à baba de caracol. Veja-se no extremo oposto o caso do excelente Pac-Man Championship Edition DX, aquele que é provavelmente o melhor jogo de download de 2010, onde para além dos gráficos existiu inovação em toda a jogabilidade do clássico.

Quando eu assumo esta posição radical muitas vozes se levantam para apontar que os remakes permitem que as novas gerações joguem títulos passados. Bullshit. Os jogos podem ser jogados na sua forma original nas consolas e computadores actuais. Clássicos PSOne na Playstation Network; Megadrive, NES, SNK e outras na Virtual Console da Wii, Game Room na Xbox 360, para além dos emuladores e sites online como o zxspectrum.net. Até os clássicos Game&Watch da Nintendo se encontram na loja da DS. Dar a conhecer não pode ser desculpa para lançar jogos antigos a preços actuais e apenas lhes puxar o lustro e incluir num pacote. Por último, enquanto as produtoras gastam tempo a engraxar o cágado estão a ocupar parte da equipa que deveria estar a desenvolver sequelas reais desses jogos ou novos IP’s. O mercado de videojogos não se deveria assemelhar aos stands de carros usados ao lado da estrada, onde os carros foram lavados até brilhar mas onde a mecânica continua antiga e muitas vezes gasta.

Fossem todos assim e estávamos bem.

 

Resumindo, chamem-me Velho do Restelo, mas os jogos devem ser jogados como sempre o foram. O grão de Ico não deve desaparecer, as arestas grosseiras de Metal Gear Solid dão-lhe um toque especial, e a primeira Lara Croft deve ser jogada da forma como foi pensada e criada, com mamas triangulares e tudo a que temos direito.

About these ads

Sobre Miguel Tomar Nogueira

The Dalai Gamer. Writes features and reviews listening to Pink Floyd. psn: migalhas xbox: theonedogshow steam: theonedogshow nintendo network: pastafarian

3 Respostas para “SD ou HD? Eis a questão!”

  1. Gostei do texto, é verdade tudo o que dizes. Não concordo com esta nova febre HD, e vou mais longe, isto foi algo que caiu no colo da Sony sem sequer se terem apercebido. Ou seja, a Playstation 2 tinha a vantagem de ser retro-compativel com a 1, e quando saiu a 3, também era. Mas para baixar os elevados custos de produção, resolveram tirar o microprocessador que permitia correr os jogos PS2 sem problema. Deste modo fizeram com que eu e muitos outros tivessemos começado a despachar os jogos da PS2 e a evitar os mesmos.
    O aparecimento dos HD é óptimo para pessoal como eu que ainda quer jogar aqueles jogos mas já não tem os jogos ou não tem onde os jogar. Ou seja, a questão para mim aqui não é o HD mas o acesso ao jogo mesmo. O HD aqui é puro marketing.
    Confesso que ainda não comprei nenhum mas tenho vários no cesto da amazon para mandar vir.E diga-se que o preço é bem convidativo, 19 euros por três jogos da série :)

  2. Faz como eu Nelson. Comprei um PS2 Slim em segunda mão por 40 euros na GAME (a minha PS2 original ainda existe mas já não consegue ler nada), e a partir daí consegues arranjar cada um desses jogos nos reseller’s da Amazon como a Zoverstocks. Vou dar-te o exemplo. Trilogia Prince of Persia para PS2 nos resellers com portes consegue-se por 5 euros. Mas se ainda tiveres mais paciência consegues cada um separadamente a uma média de 90 cêntimos de libra mais portes. Sim, os HD são um roubo.

    E uma curiosidade. Nos Estados Unidos estão já a surgir títulos de PS2 também para download. Mais uma vez, os preços andam nos 10 dólares para jogos como Maximo que custa 0.01 cêntimos de libra mais portes (por volta de 2 libras) na Zoverstocks. Sim, os HD são um roubo. :)

    Vivam as consolas antigas no Ebay, vivam os cabos RCA! :)

Trackbacks/Pingbacks

  1. Pode um remake ser o novo original? | Rubber Chicken - 11/04/2013

    [...] Já aqui escrevi num artigo que as adaptações de antigos jogos para alta-definição trazem muito poucas vantagens. A única, que poderia ser levar a novas gerações os jogos velhos, tem uma falácia incontornável. Actualmente é possível jogar os jogos antigos nas consolas novas através das “consolas virtuais” que permitem jogar títulos de Megadrive, SNES, PSOne entre muitos outros sistemas tal e qual como eles foram imaginados. Os remakes resultam em alta-definição à qual parece que faltam polígonos, e a mecânicas velhas que não batem certo com um aspecto demasiado polido. Daí que os remakes HD não sejam mais que mugir uma vaca velha que acaba por resultar em leite ligeiramente passado: nem sempre azedo, mas quase sempre desagradável. [...]

Mantenham as mãos dentro do veículo e, por favor, não alimentem os trolls.

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

WordPress.com Logo

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Log Out / Modificar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Log Out / Modificar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Log Out / Modificar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Log Out / Modificar )

Connecting to %s

Seguir

Get every new post delivered to your Inbox.

Junte-se a 95 outros seguidores

%d bloggers like this: