Goichi Suda (Suda51 para os amigos) começou a carreira como cangalheiro. Acreditamos que isso foi apenas para pagar as cervejas que devem ter sido muitas para esquecer o dia de trabalho. Seja por trabalhar com mortos e químicos, ou por excesso de cerveja, certo é que os neurónios de Suda lá fizeram um curto-circuito para a vida que lhe permitem ver a criação de videojogos sempre com um parafuso a menos. O resultado, no entanto, acaba sempre por originar jogos com os parafusos todos certos.

Uma das primeiras catapultas para o sucesso foi a sua participação no desenvolvimento do jogo Super Fire Pro Wrestling Special, onde foi responsável pela história, na qual o jogador no final se suicida, quando percebe que apenas lutava Wrestling para combater uma depressão grave. Estávamos em 1994 e é por isso que me rio sempre que jogos dos últimos 5 anos dizem que amadureceram nas temáticas.

Ai e tal e tão sérios que nós somos…

 

Como criador, Suda criou a Grasshopper Manufacture em 1998 que desde o seu lançamento lança para o mercado jogos com “algo a mais”, mas que acabam sempre por resultar em lucros “algo a menos”. No entanto, Suda não cede às pressões comerciais e continua a fazer aquilo que bem lhe apetece para o bem de todos nós. Chamem-lhe culto, chamem-lhe moda, chamem-lhe game design de excelência, mas vão sempre existir fieis seguidores de killer7, de No More Heroes e de Shadows of the Damned.

Desde que o primeiro trailer de Lollipop Chainsaw foi lançado que todos os poros do meu corpo se arrepiaram. O jogo promete levar a excelente “imaturidade” de Goichi ao limite. Ao contrário de outros títulos, este promete vender, face a uma campanha publicitária carregada de dólares que martela o jogo em todo o lado desde o último ano. Parece que a Warner Brothers é suficientemente inteligente para perceber a pérola que tem nas mãos.

Mas porque não dar a palavra a quem percebe mais disto do que nós, do que vocês e do que toda a gente junta? Senhoras e senhores, Grasshopper Manufacture: