Uma antevisão a The Escapists

Quando alguém nos fala de uma fuga de um estabelecimento prisional a primeira coisa que nos vem à cabeça é a genial primeira temporada de Prison Break. A forma inteligente como Michael Scofield conseguiu arquitectar uma série de situações aparentemente distintas para salvar o seu irmão do corredor da morte. The Escapists é menos poético do que isso, mas muito mais pragmático. Não temos nada tão rebuscado como os mirabulantes estratagemas de Scofield, apenas os velhos truques das colheres e das escovas de dentes. No jogo da Team17, em Early Access no Steam, somos um prisioneiro como qualquer outro, e não sabemos o porquê de estarmos presos. E também não sabemos se somos um perigo para a sociedade, e se deveríamos evadir-nos. Mas já que esse é o objectivo do jogo, seguimos em frente.

Em The Escapists temos duas linhas paralelas de jogabilidade: por um lado o de viver as rotinas diárias da vida na prisão, e simultaneamente engendrar um plano para nos evadirmos da prisão, na esperança da nossa toilette laranja de corpo inteiro não dê demasiado nas vistas no “mundo lá de fora”.

The escapists 01

Ah. Esta piada quando estamos no chuveiro…

 

Os dias começam com uma apresentação na parada antes do pequeno-almoço. Em quase todas as rotinas (desde as apresentações aos guardas de manhã e à noite, as refeições, passando pelos recolheres obrigatórios) necessitamos de cumprir os horários sob pena de cairmos no lado menos simpático dos guardas prisionais. E por lado menos simpático entende-se aquele que nos dá bastonadas e pontapés até nos deixar inconscientes, apenas para acordarmos na manhã seguinte enfermaria sem qualquer dos nossos pertences.

Arranjar um emprego dentro da prisão é meio caminho para começarmos a planear a nossa fuga. Desde trabalhar como varredor, ou na lavandaria, a realidade é que a confiança dos guardas prisionais e o nosso desempenho nessas tarefas vão-nos dar acesso a alguns itens que servirão para a nossa fuga. Infelizmente algumas das profissões dentro da prisão já estão ocupadas, o que significa que podemos ir treinando os nossos músculos para podermos conferir à força uma baixa involuntária a um dos nossos colegas prisioneiros. E depois roubar-lhe o emprego é claro.

É claro que espancarmos alguém dentro da prisão vai fazer-nos criar inimizades, e é frequente que no recreio chegue um ou outro prisioneiro chateado connosco e nos tente esfaquear. Ossos do ofício diriam alguns.

The escapists 02

A culpa é do Rúben.

 

Há muitas formas de conseguir e de fazer favores dentro da prisão, sendo que a mais frequente é aceitarmos missões de colegas para furtar ou espancar dado prisioneiro. Tudo isto sem os guardas verem, porque senão vamos parar ao lado errado do bastão, e consequentemente, para a enfermaria.

Neste momento existe apenas um mapa disponível, e o nosso grande objectivo, tal como o nome indica, é o de conseguir misturar uma série de itens para, por exemplo, construir uma pá e escavar a nossa fuga dali para fora. O jogo está tão divertido que esta espécie de retro prisioner simulator e a rotina diária da prisão conferem a The Escapists uma grande diversão e sentido de rejogabilidade. Aguardamos a versão final para perceber o quão desafiante e distintos mapas serão, mas do que que encontramos agora podemos já afirmar que é um jogo que promete bastante. Muito mais do que as restantes temporadas de Prison Break.