Caçada Semanal #101

Ainda na sexta comemorávamos a centésima Caçada Semanal dedicada única e exclusivamente a indies lançados para a Wii U, e entre lançar o artigo e o fim-de-semana chegaram mais 3 indies que demonstram as potencialidades, umas melhores e outras piores do que poderia ter sido a força total da consola.

Tivemos óptimos exemplos (até algumas ideias vindas da Nintendo de formas de explorar a assimetria da Wii U ou mesmo como é que podíamos observá-la como uma consola para juntar amigos à volta.

Existiram alguns pequenos exemplos que foram pautando boas ideias para o Game Pad, mas é fácil sentir que nada disto foi suficiente.

E agora já é tarde demais.

Cube Life: Pixel Action Heroes

Apesar da eShop não receber muito amor por parte de indies com maior nome e maior qualidade nos últimos anos da sua vida (salvo raras excepções), algo que começava verdadeiramente a inundar a loja digital foram jogos com uma estética cúbica de Minecraft.

Personagens poligonais tridimensionais que viveram quase todo o tipo de género, desde platformers aos óbvios survival games, passando por arena shooters.

Neste caso é o novo jogo do estúdio Cypronia que nos traz a história de um action hero dos 1980s mas com esta mesma linguagem herdada de Minecraft, com personagens cúbicos a coabitarem num ambiente todo ele poligonal.

Em Cube Life: Pixel Action Heroes personagens como Silver Stand Alone, Duck Morrissett, Steamin’ Seagal e Ronald Triumph combatem hordas de zombies num mundo totalmente destrutível composto por blocos, e que se assemelha a uma invasão de testosterona cinematográfica dos 1980s ao famoso mundo criado pela Mojang.

Divertido, mas dificilmente este shooter conseguirá evidenciar-se da notória saturação de jogos com estética à la Minecraft que a Wii U recebeu no último ano e meio.

Double Breakout 2

Quantos de nós não passou tardes da sua infância a jogar Arkanoid e tantas outras cópias que lhe tentaram repetir o sucesso? A forma simples como uma bola em ricochete nos mantinha agarrados às consolas enquanto tentávamos libertar o ecrã de tijolos coloridos (ou monocromáticos no caso do Game Boy).

Double Breakout 2, para além do título parecer uma redundância é uma interpretação curiosa e multiplayer entre um brick breaking game e uma espécie de Pong, no qual dois jogadores em lados opostos têm simultaneamente de interceptar duas bolas e ir destruindo os tijolos com elas, impedindo que a bola “marque golo” na sua baliza, e que os leve a perder uma vida.

Um cruzamento entre Pong e Arkanoid que pode ser bastante divertido mas que perde pelo quão aborrecido visualmente o jogo é. O que é uma pena, porque a associação dos dois jogos foi muito bem pensada.

BLOC

Falando em Pong, é curioso que um dos últimos jogos a chegarem à parte indie da eShop da Wii U seja uma interpretação do jogo clássico, com um visual igualmente rudimentar mas a custar 2,99€.

BLOC traz uma ligeira e única diferença desse clássico de 1972, é que ao invés de 2 “raquetes” virtuais, este possui 4, cada um controlando de forma independente com uma parte da Wii U.

BLOC é uma boa ideia e é também aquilo que a consola parecia potenciar com o lançamento de Spin the Bottle e de Game & Wario, mas o seu preço parece-me um pouco disparatado quando comparamos o seu custo com outros jogos presentes na Wii U.