Caçada semanal #144

Sei que não sou o único aqui da redacção com um cantinho especial no coração dedicado a mechas e demais robots gigantes. E sei que a génese dessa paixão reside precisamente no fascínio que Transformers G1 criou na minha impressionável mente de criança. Bastou mais uma outra série e umas pitadas de Jetman e demais Super Sentai para a minha paixão por mechas permanecer até aos dias de hoje.

Os poucos anime que vejo são deste género, e acho que não há um videojogo, de indie a AAA que contenha robots gigantes e que não me faça brilhar os olhos. Sei que não sou o único e é curioso que ainda esta semana um leitor contactou o Professor Machado a falar de um jogo com mechas que ficaram num canto da sua memória e que não sabia qual era.

Esta semana são 3 indies com mechas que trazemos. A qualidade entre eles diverge, mas os calcanhares de Aquiles são mesmo assim.

ASSAULT GUNNERS HD EDITION

Um port de um jogo relativamente “antigo” de PS Vita (sim, também acontece alguns jogos da malograda portátil da Sony virem parar ao PC), ASSAULT GUNNERS HD EDITION é um jogo de acção com mechas ao estilo de Robotech e que nos incumbe com a missão de destruir vagas de inimigos mechas.

São cerca de 35 missões que ASSAULT GUNNERS HD EDITION nos traz pelo preço de 11,99€, mas com a proximidade com a clássica série multi-meios nipónica, o ponto alto deste jogo é a sua vasta customização de componentes, permitindo-nos personalizar o nosso mecha quase por inteiro.

Para quem tem saudades de Armored Core, ASSAULT GUNNERS HD EDITION pode responder de forma eficaz, se extrairmos desde logo as expectativas em jogar mais um jogo daquela série, especialmente agora que a FromSoftware está tão focada em produzir jogos da série e do género de Dark Souls.

Damascus Gear Operation Osaka HD Edition

Para não fugir ao que aconteceu com o jogo anterior, Damascus Gear Operation Osaka HD Edition também é um port da versão de PS Vita desta série de shooters isométricos de mechas, que parecem ter uma segunda vida com versões melhoradas no PC. Fica a dúvida se com a colossal concorrência se venderão mais cópias do que na sua plataforma original.

Infelizmente, é tal e qual como acontece com Operation Tokyo, Damascus Gear Operation Osaka HD Edition foi um jogo que me divertiu imenso…nos primeiros trinta minutos. Depois de ser promovido (e em extremo até ser aceitável que o definam assim) como um Diablo com mechas, Operation Osaka HD Edition é interessante e divertido mas continua a não dispor de tanta customização quanto poderia ter, e tem logo ali o exemplo de ASSAULT GUNNERS de como diversificar algo que poderia ser um jogo monótono.

As missões não são especialmente interessantes e quase que se resumem a destruir vagas de inimigos em corredores labirínticos, tornando as diversas cidades em dungeons a céu aberto. Possivelmente a proposta menos interessante desta caçada, e aconselhável quase exclusivamente a fervorosos fãs de action RPGs e de mechas.

BREAK ARTS II

Inesperado. Este foi o sentimento que me chegou depois do primeiro contacto com BREAK ARTS II, cujas imagens promocionais e o seu design de mechas próximo de Robotech e Macross rapidamente me sugeria um jogo de luta tridimensional com robots gigantes.

Mas não. BREAK ARTS II é um jogo de corridas futuristas, como se os muitos e customizáveis mechas que aqui existem invadissem as pistas cibernéticas de WipeOut e F-Zero, pontapeassem todos os veículos borda fora para os precipícios que constituem por obrigação esses jogos e tomassem-nos sem de lá não sair.

Com uma excelente banda-sonora, BREAK ARTS II coloca-nos num atletismo desenfreado com robots gigantes, a alta velocidade. O que há para não gostar disto?