Alguns sistemas de RPG de mesa são complexos no seu detalhe e na sua execução, algo que acaba por ser retratado na quantidade de páginas que compõe os seus manuais, que, nalguns casos, chegam a ser mais que um (Dungenos & Dragons 5e tem Player’s Handbook, Dungeon Master’s Guide e Monster Manual). É verdade que toda essa complexidade vai sendo desconstruída e esmiuçada em todas essas páginas, procurando assegurar a sua compreensão. Mas o processo de leitura, por causa disso mesmo, tende a ser demorado. Nesse sentido, e de forma a acelerar o tempo entre a aprendizagem das regras do sistema e a implementação das mesmas numa sessão, existem os chamados quickstarts.

Como o próprio nome indica, estes pequenos manuais prometem garantir um mergulho rápido no jogo, fornecendo o essencial dos essenciais sobre o presente sistema. Pode também ser tido como uma forma de experimentar o jogo antes de adquirir as cópias completas e que aprofundam toda a temática.

Dentro do mesmo domínio, temos também os starter sets que para além de incluírem o essencial das regras, também se fazem acompanhar de mapas, folhas de personagens, acessórios, histórias pré-feitas e dados, para uma experiência mais imediata de jogo. Quando se explora algo novo, ter algum do trabalho já feito é uma grande ajuda.

De forma a garantir uma outra forma de sucesso, atendendo à quantidade de sistemas e entre esses os que suportam o formato quickstart, a possibilidade de estar constantemente a produzir one-shots de algo diferente e sempre interessante é mais que garantido.

Quando o próprio jogo se simplifica diante de nós, deixa de haver manos desculpas para não o jogar.