Caçada semanal #159

Ainda há uns meses o João lembrava os Da Weasel com a sua música com o mesmo nome deste artigo, e que por alguma razão não me saía da cabeça quando olhei para os 3 indies que nos chegaram, aliás, que nos “regressaram” às mãos. E se estamos numa de regressos, porque não pensar na coisa em inglês e na música Without Me do Eminem, cujo refrão perguntava isso mesmo? Sim, eu sei, bem-vindos a 2002.

Os 3 indies do qual vamos falar são então alguns jogos já nossos conhecidos e que decidiram voltar como aquele amigo que não vemos há uns anos mas que decidiu fazer um pop-up de surpresa e dar-nos um abraço ou cravar-nos dinheiro. Ou os dois.

Shoppe Keep 2

Para quem assistiu aos últimos episódios do meu programa no canal de Twitch do Rubber Chicken já deve estar à espera de ver este jogo por aqui. Quando o primeiro saiu ficámos verdadeiramente maravilhados com o que este simpático jogo na primeira pessoa nos pôs a fazer: gerir uma loja de equipamento típico de um jogo na primeira pessoa.

Uma ideia que não sendo nova, e que até tem um visual com um charme tosco, mas que conseguiu manter-nos tão presos às 4 paredes da loja que percebemos que as suas mecânicas e execuções suplantavam na perfeição a sua fraqueza visual.

A sequela já anda pelo Steam em Early Access, o que justificou as duas logradas tentativas de o jogar mas que bugs terríveis me impediram de prosseguir caminho para lá do tutorial, mas que com um recente patch já foi devidamente corrigido.

E o que é que Shoppe Keep 2 traz de diferente, para além da ideia de ter o máximo de lucro possível num mundo de fantasia medieval? A possibilidade de partilharmos toda a gestão da loja em multiplayer com até mais 3 amigos, para além de um ainda maior desenvolvimento da possibilidade de fecharmos a loja e irmos nós mesmos à aventura em busca de itens que iremos vender à procura de uma grande margem de lucro O que este Shoppe Keep 2 promete é bastante, e com os últimos bugs aconselhamos a estarem atentos aos desenvolvimentos e anúncios dos seus devs. É que em full release este nosso novo velho amigo pode ser uma experiência multiplayer realmente diferente de qualquer coisa no mercado.

Porradaria 2: Pagode of the Night – Vladmirson DLC

Pois é, completamente de surpresa eis que chega o primeiro DLC de Porradaria 2: Pagode of the Night o simpático (e frequentemente baratucho) jogo de paródia a Castlevania: Symphony of the Night com uma direcção artística que mistura o MSPaint com os jogos de MSDos, a criar uma MSórdia (leia-se mixórdia) boa que nos divertiu mais do que estávamos à espera.

Porradaria 2 (assim como o primeiro) foram desenvolvidos pelo estúdio brasileiro CleanWaterSoft, e é curioso como nos caíram no colo no meio de tantos outros jogos que saíram em indie bundles. Mas não fosse para nós portugueses o título um grande chamariz para que olhássemos para eles, e possivelmente nunca tínhamos percebido a pérola do humor que aqui estava escondido numa apresentação, que, convenhamos, vai deixar muita gente a pensar que isto é um mero projecto de estudantes.

Porradaria 2 tem um dos melhores objectivos de sempre de um jogo: derrotar o Dark Evil Black Dragon of Doom (de repente apeteceu-me ouvir os brilhantes Massacration) e reaver a Legendary Endless Potato Chips Pack (pessoalmente tenho um fraquinho por Cheetos, e houvesse um pacote destes e com a garantia mágica de não engordar e até eu ia enfrentar dragões). O que este primeiro DLC traz de novo é a possibilidade de jogarmos a história de Vladmirson, o Dumbledore da Picanha (digo eu), e criador do lendário pacote de batatas fritas. Um DLC divertido que expande um pouco a história de um jogo que pouca gente conhece, mas que é uma das mais eficazes paródias a algo que tantos adoram como Castlevania.

Doughlings: Arcade

Admito: esta é um bocadinho batota. Nunca tínhamos jogado Doughlings: Arcade ou qualquer jogo do estúdio que o criou, Hero Concept, mas… já jogámos Arkanoid e milhentas outras cópias, sendo que uma das mais meh que já nos chegou às mãos até foi alvo de uma A Hora do MehMas surpreendentemente, Doughlings: Arcade, que pode ser comprado no Steam a 4,99€ consegue a difícil tarefa de pegar em algo tão exaustivamente repetido como Arkanoid e Breakout e implementar-lhe ideias novas.

Visto que o que controlamos é uma figura que lembra um Geodude cor-de-rosa, o que o estúdio Hero Concept quis trazer de diferente foi a possibilidade de desbloquearmos personagens diferentes com poderes distintos, e que podem ser a solução para ultrapassar o grande desafio ao longo dos 90 níveis de Doughlings: Arcade.

Um jogo desafiante e que consegue trazer o encanto de Arkanoid para um público mais jovem, com diversidade de conteúdo para nos manter divertidos durante bastante tempo.