Tal como as iterações futebolísticas anuais sobre as quais já demos opinião aqui e aqui, há outra série que costuma aparecer por volta de Outubro com a diferença de alternar o seu estilo. No ano passado tivemos um Forza Motorsport 7, mais realista e focado na corrida de pista pura e dura, em 2018 Forza Horizon 4 tem um estilo arcade, tirando partido do seu ambiente open-world para dar ao jogador a possibilidade de cumprir todas as suas fantasias automobilísticas num mundo virtual sem riscos ou consequências graves.

Resumidamente, para quem não conhece os jogos, Forza Horizon é um jogo de corridas que decorre num festival para amantes de 4 rodas (ou 3 no caso de alguns carros muito específicos), a cada dois anos o cenário é diferente: o primeiro nas planícies do Colorado, E.U.A; o segundo no sul de França e Norte de Itália, o terceiro na vastidão da Austrália e este quarto jogo, na ilha da Grã-Bretanha. Enquanto em Motorsport somos confrontados com campeonatos de corrida, aqui temos um mapa para explorar em que ocasionalmente podemos encontrar corridas de diferentes estilos. Correndo nelas, ou simplesmente explorando o mapa fazendo habilidades ou destruindo cenários faz com que ganhemos pontos e dinheiro, subindo assim de nível e estatuto de modo a conseguir melhores carros, corridas mais difíceis e por aí em diante. Como se fosse um Role-playing game em mundo aberto, mas em vez de comprar espadas e armaduras para derrotar dragões e outras criaturas, compramos carros para ganhar corridas. Mas o que tem Forza Horizon 4 que faça valer a pena comprar o jogo?

Em relação a Horizon 3, muito pouco é diferente, mas esse pouco faz muita diferença. Começando pelos pontos mais negativos temos acesso a menos carros. Apesar de contar com mais de 450 veículos do mais variado possível incluindo packs DLC como James Bond com quase todos os veículos dos filmes ou Formula Drift, a ausência de marcas como a Toyota que retirou os seus carros de estrada da lista e a Porsche que mesmo depois de estar liberta de outras obrigações não fornece carros para este título, não deixam de ser notadas. Outro ponto menos positivo foi o foco maior na vertente “fora de carro” já que em versões anteriores todo o dinheiro virtual ganho era gasto em carros, assim como os WheelSpins (roletas ocasionais que dão prémios aos jogadores) dava créditos ou carros raros, agora podemos comprar casas, algo necessário para desbloquear certas missões e corridas, e roupas para o nosso avatar. Apesar de ser um jogo mais arcade não deixa de ser um jogo de carros, e não um Sims. Mas felizmente foram retiradas as microtransações do jogo depois do feedback altamente crítico na iteração do ano passado.

Deixando de lado os aspectos mais negativos há algumas coisas muito boas em Forza Horizon 4, como, apesar de menos, os carros à escolha estarem como sempre reproduzidos com um fidelidade notável, cada linha e curva do design está representado na perfeição, tal como a diferença na condução dos mesmos, conduzir carros de categorias diferentes, ou mesmo modelos diferentes dão experiências únicas ao jogador. Os cenários estão absolutamente brilhantes, seja o ambiente de cidade, montanha, campo, ou à beira mar, não só temos uma beleza muitas vezes indescritível com efeitos de luz que conseguem deixar um jogador boquiaberto na Xbox One, na mais potente Xbox One X ou num PC de gaming potente tirando proveito da particularidade Play Anywhere deste jogo podem deixar alguém com o queixo no chão.

No ano passado, Forza Motorsport 7 incluiu a meteorologia dinâmica, durante uma corrida qualquer podia cair um nevoeiro, ou começar a chover e inverso também era podia acontecer, começando uma corrida de noite debaixo de chuva intensa e ver, gradualmente o dia nascer enquanto a chuva ia parando, em Horizon 4 foram um passo à frente dando-nos estações do ano, algo que vai muito além do estético. É fantástico correr no Outono em que os castanhos das folhas a cair enchem a estrada como um manto de retalhos dourados, mas acima de tudo a diferença na condução é notavelmente diferente quando fazemos exactamente o mesmo trajecto em cima de alcatrão quente no Verão ou neve no Inverno. As próprias estradas e campos estão diferentes permitindo por exemplo que no Inverno um lago que anteriormente teríamos de contornar se torne uma óptima localização para cortar caminho ou simplesmente fazer um espectáculo de drifting, na sua superfície agora coberta de gelo. Estas estações variáveis estão integradas no sistema comunitário de Forza Horizon 4, que nos coloca em contacto com jogadores de todo o mundo em simultâneo. A qualquer momento conseguimos ver outros pilotos no nosso ecrã em tempo real podendo desafiá-los para uma corrida ou outra actividade qualquer, nem que seja apenas passear e ver as vistas. Após a fase tutorial do jogo, no qual somos apresentados às quatro estações e dinâmicas de jogo estaremos totalmente integrados no sistema que as rodará a cada semana, desse modo todos os jogadores estarão sempre nas mesmas condições.

Forza Horizon 4 traz algumas inovações ao seu modelo mas acima de tudo são as pequenas afinações que fazem dele uma compra segura para quem gosta de corridas mas não as leva a sério demais. Este exclusivo Xbox está disponível na sua versão básica por €69.99 ou com a assinatura GamePass que custa €9.99 por mês e dá acesso a esse e mais de 100 exclusivos da consola. Versões mais caras incluem à partida os DLCs que podem ser comprados separadamente no jogo.