Trazemos até vocês um bufete cheio de amor e romance e um bocadinho de língua.

Muitos videojogos já têm objectivos românticos – implícitos ou explícitos, a um maior ou menor grau – há muito tempo. Nenhum de vocês acha mesmo que salvar a princesa era para proteger a monarquia local, certo?

Mas em grande parte deles nunca é explorado esse aspecto – será que aquela personagem está interessada em mim? Será que gosta de receber flores? Será que não me olha nos olhos porque foi magoada antes? Será que eu sou a CUR–

Para aqueles que não tiveram o suficiente no dia de São Valentim, e para aqueles que querem um pouco mais de beijinhos e menos de socos, temos uma lista de jogos que vão de encontro ao que desejam. E dado que beijinhos ás vezes vai para os amassos e mais além, nós incluímos um grau de Picante, com uma breve descrição do que esperar. Para não jogarem no autocarro e levarem sermão de um senhor velhinho. Nós gostamos de vocês.

Sim, dessa maneira.

Monster Prom

Picante? Um bocado. Muitos subentendidos (e “sobrentendidos”)  no texto, e algumas das imagens finais são pin-ups com pouquíssima roupa. Falam bastante em droga, álcool e orgias, mas nada é explícito.

Das mãos dos Beautiful Glitch através de Those Awesome Guys, chega-nos um simulador da tortura e horror que é convidar alguém para o baile de finalistas… mas com monstros! Em Monster Prom tu (e talvez mais 3 pessoas) tentas conquistar um dos seis monstros de Spooky High (oito com o DLC), e levar essa criatura para o baile de finalistas que acontece daqui a… deixa-me ver o calendário escolar– três semanas?! É melhor começares!

Baseado no The Yawgh (também muito bom, da grande Emily Carroll e Damian Sommer), o jogo é, essencialmente, um dating sim em que o sucesso de cada opção depende dos stats da tua personagem, que aumentas ou diminuis se fizeres boas ou más escolhas, visitas sítios específicos, etc. Se tu e outra pessoa curtirem o mesmo monstro, fica também competitivo, e terão chances de sabotar o outro. Podes escolher vários géneros e podes namorar qualquer monstro independentemente.

Uma história completamente louca, bizarra, contraditória e divertidíssima. Óptimo para jogar só com uma pessoa se gostarem do humor e do estilo, mas é bastante fixe em grupo também. Especialmente a fazer as vozes das personagens.

Dêem uma vista de olhos ao artigo! E aproveitem o desconto que dura até 21 de Fevereiro.

Dream Daddy

Picante? Menos que o anterior, mas nos mesmos aspectos. Uma escrita com trocadilhos e homens de tronco nu às vezes.

Saímos da fantasia de horror para a fantasia suburbana com pais de sonho, onde tu… também és um pai!

Dream Daddy é um dating sim focado em homens solteiros com crianças. Tu, um desses pais, mudas-te para uma nova casa e ao conheceres a vizinhança deparas-te com os outros solteirões. Tu queres sair com algum deles e depois da tua filha te ajudar a instalar o Dadbook, tu consegues. Mas será que eles vão gostar de ti?

É um jogo cheio, a transbordar, de humor de pai. Cada pai tem enredos e problemas diferentes, desde filhos rebeldes a corações quebrados e imaturidade emocional, mas em geral o jogo nunca fica demasiado pesado. E tens pais de todos os tipos e formatos… mas são todos pais. Se não queres ser pai e não gostas de pais… então “pai”-te f–

Ladykiller in a Bind

Picante? Muito. Tem visuais e texto bastante explícitos (ou tão explícitos quanto a Steam permite), embora opcionais. Tem BDSM à mistura.

Até agora a lista tem sido jogos com muitos trocadilhos, mas tudo (mais ou menos… menos) inocente. Este jogo brinca menos.

Ladykiller in a Bind é uma visual novel da Love Conquers All Games. Jogas como uma mulher lésbica andrógina que está a fazer-se passar pelo irmão gémeo num navio com outros jovens adultos. Todos são ricos e estão num concurso de influências para ganharem ainda mais dinheiro. Como as pessoas ricas fazem.

É bastante interessante o sistema de conversa do jogo: as escolhas vão aparecendo e desaparecendo enquanto a conversa avança. Dependendo do teu objectivo (namorar X ou Y, ter o máximo de influência, etc), pode ser mais conveniente esperar pelo momento certo para responder, e outras vezes convém não deixar a conversa terminar o seu rumo.

As relações são mais limitadas que os anteriores. Mas como estão inseridas numa história maior, acabam por ser bem mais interessantes de ler. E se as cenas mais picantes vos deixam de pé atrás, podem a qualquer momento saltar essas partes.

Se querem algo mais sério (não muito sério) e pessoal, esta é a melhor opção da lista.

Está com desconto na Humble Store até dia 18 de Fevereiro.

Genital Jousting

Picante? S…im… é talvez o jogo mais absurdo daqui – estão literalmente a controlar um pénis com ânus que penetram noutros iguais. Fica à vossa decisão que companhia mantém enquanto jogam isto.

Deixamos as palavras para trás brevemente, o que falta nesta lista é contato cru de pele com pele!

(Não se esqueçam de protecção na vida real)

Genital Jousting é um jogo essencialmente multiplayer, onde controlas um pénis-rabo e tens de fazer amor com outros como tu. Quem tiver mais atenção dada a uma ponta e/ou a outra ganha mais pontos. Tem outros jogos que são variantes do controlo de cada ponta do teu ser genital, e inclusivé um modo de história para um jogador que é melhor explicado aqui.

Está com desconto no Humble Bundle até dia 18 de Fevereiro.

Choice of Games

Picante? Quase nada. Coisas podem acontecer dentro dos lençóis, mas tirando uma breve descrição não sabemos de nada.

Não, vamos voltar às palavras. Mas, um desafio: vão ser SÓ palavras.

Choice of Games não é um jogo, mas é o nome da companhia que publica uma pilha de CYOAs sem imagens ou sons. Ele usa apenas palavras e, como dizem na abertura de cada um, “o vasto poder da tua imaginação”.

Nem todos se focam apenas no romance, mas cada um deles dá uma atenção especial a esse aspecto – faz parte da descrição de cada um até que tipos de relações podes ter.

Para começarem, recomendo Choice of the Deathless e a sequela Deathless: City’s Thirst, Tally Ho, Avatar of the Wolf, Empyrean, The Eagle’s Heir, Choice of Robots e Rent-a-Vice.

Grande parte deles lêem-se numas horas, por isso fantasiar sobre beijinhos não demora muito. Não precisas sequer de pagar para experimentar algo novo: grande parte deles têm introduções gratuitas, onde podes apreciar a escrita e o tipo de opções que são fornecidas.

Hatoful Boyfriend

Picante? Não… não, são pássaros… Não é…

Voltamos com imagens! E que… imagens são estas…?

Hatoful Boyfriend é uma visual novel onde tentas namorar com um de vários pombos inteligentes, numa escola de pombos, onde tu és a única humana sobrevivente. Tens uma série de pombos de tipos diferentes que podes… passar tempo com… levá-los à tua caverna… ir ao festival de verão com eles… e pelos quais podes apaixonar-te…

E nada mais. Não, não há mais nada. Não há um enredo assustador por trás e eu, pessoa que jogou este jogo, consigo olhar para pombos da mesma forma desde que acabei este jogo.

… Podem ler o artigo aqui e podem comprar o jogo com desconto no Humble Bundle até dia 18 de Fevereiro…

We Know the Devil/Heaven Will Be Mine

Picante? Pouco. Mencionam relações passadas, e há contato de lábios com lábios.

Talvez não consegues voltar a uma relação tão cedo, mas sentiste a falta de romance porque ninguém se cala durante a primeira metade de Fevereiro.

Talvez devas evitar jogos que falam sobre relações difíceis?

Não! Vamos pôr o dedo na ferida!

Estes são duas visual novels diferentes criado por Worst Girls, unidos por um tema: as relações são difíceis, e alguém vai-se magoar.

No We Know the Devil, lidas com três escuteiras que têm de ficar sozinhas no meio de uma floresta numa cidade rural e conservadora, e são inevitavelmente assombradas pelos demónios que sempre as perseguiram. Tu não jogas como nenhuma delas, mas escolhes quem é que fica com quem em pontos das histórias em que elas se separam e precisam do apoio umas das outras. Mas o que acontece a quem é deixado para trás? Bem…

Em Heaven Will Be Mine, jogas como uma de três navegadoras de mechas colossais de três facções diferentes que querem decidir o futuro da Humanidade no nosso sistema solar, e por isso estão em guerra. Elas têm formas diferentes de lidar com as suas emoções e como processar as relações antigas com as outras duas. As escolhas feitas com cada personagem irão favorecer a própria facção ou a de que navegadora nos vamos encontrar em cada missão. Inevitavelmente, tens de escolher entre quem ainda tens sentimentos por e aquilo que acreditas.

O amor pode ser muito egoísta e cruel… E isso pode ser divertido!

Lovers in a Dangerous Spacetime

Picante? Nada. Até é bem doce!

Vá, não podemos acabar com um tom tão negativo. Um dia (se quiseres e procurares!) podes encontrar alguém (ou várias pessoas, não há julgamentos aqui) que amas e cuja companhia é desejada para o resto da tua vida.

E nenhuma boa relação sobrevive sem comunicação e cooperação.

Lovers in a Dangerous Spacetime é um space shooter que faz lembrar uma cria de FTL com Sailor Moon ou Katamari – que aliás, são as influências estéticas do jogo. Este é um jogo de cooperação onde tu controlas duas personagens, ou arranjas um máximo de três outras pessoas para te ajudar com uma cada. Sozinho ou bem acompanhado, o objectivo comum está em controlar várias partes de uma nave espacial (canhões, escudos, navegação, etc)  para salvar o universo das forças do mal que querem destruir o Amor!

Não tem romance ou sexo, mas está cheio de amor. É um bom jogo para todas as idades, e tão fofinho que não dá para gritares com os teus companheiros de nave. Ou, dá, mas não devias! Cooperação! Comunicação! Criem uma boa ligação!

Como outros da lista, este também está no Humble Bundle com desconto até 18 de Fevereiro.