Análise

Quando um dos melhores JRPGs da actualidade vem da Noruega

Earthlock: Festival of Magic pode ser a prova que um sinal de rejuvenescimento dos JPRGs passa pela experimentação extra-nipónica.

Análise

Double Dragon IV. (ponto final)

Meio mundo está derretido com a chegada de mais uma sequela de Resident Evil. E eu aqui histérico porque saiu mais um Double Dragon “para” NES.

Análise

Space Hulk: Deathwing – nas asas de Warhammer 40k

O universo Warhammer 40.000 é rico na criação de histórias, ambientes e experiências envolventes e fascinantes. Será que o jogo faz jus ao historial?

Análise

Thea e o regresso a um jogo gigante

Há jogos que vale a pena voltar a jogar, vezes e vezes sem conta. Thea: The Awakening é um jogo brilhante e ignorado, sobre o qual nunca é demais falar.

Análise

King of Tokyo – ou seja – O MAIOR DA MINHA ALDEIA

King of Tokyo de Richard Garfield é o mais recente jogo de tabuleiro a passar na avaliação do Rubber Chicken.

Análise

Stellar Interface: os shoot’em ups falam português

Stellar Interface é um shoot’em up roguelike que não só fala português como dizem que até foi feito em Portugal.

Análise

Será Thumper o jogo do ano?

Análise de Thumper e tentativa de argumentação para o jogo onde o protagonista é um besouro do espacial ser o melhor que se fez na indústria em 2016.

Análise

Jornada rumo ao Oeste

A Square conseguiu finalmente dobrar o cabo das tormentas e aportar no moderno séc. XXI… seja bem vinda. Que outros lhe sigam a rota.

Análise

O que é que Battlefield 1 tem em comum com Candy Crush Saga?

O primeiro impacto em Battlefield 1 é esse. Lama. Sangue. Ordens impossíveis de cumprir. Aguentem a posição, vocês os quinze, ordens do Quartel-General.

Análise

Dishonored 2

Numa altura em que muitos se esforçam por gráficos e mundos super realistas, Dishonored 2 opta por uma personalidade própria distinta dos demais,