Análise

NieR: Automata e a ambiguidade da originalidade

NieR: Automata é a última entrada no spin-off da série Drakengard que veio ao mundo pelas mãos de Yoko Taro e Platinum Games.

Análise

Loot Rascals: quando os roguelikes falam em loucura saudável

Roguelike com cartas. Visual único e com o charme de um livro infantil. Loot Rascals chegou para se gravar em muitas cores na nossa memória.

Análise

Horizon: Zero Dawn – Por entre a folhagem e o aço

A 5% de ser finalizado tudo o que existe para fazer num mundo majestoso como o de Horizon: Zero Dawn, falamos das 40 horas de viagem que levámos.

Análise

Quando um dos melhores JRPGs da actualidade vem da Noruega

Earthlock: Festival of Magic pode ser a prova que um sinal de rejuvenescimento dos JPRGs passa pela experimentação extra-nipónica.

Análise

Double Dragon IV. (ponto final)

Meio mundo está derretido com a chegada de mais uma sequela de Resident Evil. E eu aqui histérico porque saiu mais um Double Dragon “para” NES.

Análise

Space Hulk: Deathwing – nas asas de Warhammer 40k

O universo Warhammer 40.000 é rico na criação de histórias, ambientes e experiências envolventes e fascinantes. Será que o jogo faz jus ao historial?

Análise

Thea e o regresso a um jogo gigante

Há jogos que vale a pena voltar a jogar, vezes e vezes sem conta. Thea: The Awakening é um jogo brilhante e ignorado, sobre o qual nunca é demais falar.

Análise

King of Tokyo – ou seja – O MAIOR DA MINHA ALDEIA

King of Tokyo de Richard Garfield é o mais recente jogo de tabuleiro a passar na avaliação do Rubber Chicken.

Análise

Stellar Interface: os shoot’em ups falam português

Stellar Interface é um shoot’em up roguelike que não só fala português como dizem que até foi feito em Portugal.

Análise

Será Thumper o jogo do ano?

Análise de Thumper e tentativa de argumentação para o jogo onde o protagonista é um besouro do espacial ser o melhor que se fez na indústria em 2016.