indie

Antevisão

Virtual Surfing: a emoção de uma onda digital

Parece-nos que Virtual Surfing pode envolver o subgénero dos simuladores desportivos como aquela famosa onda que rebentou na Nazaré.

Análise

Kontrakt: deslizando pelo alkatrão

Eu queria gostar de Kontrakt. Tem aquele romantismo de ser feito por uma alma solitária que aproveita para depositar num jogo parte das suas…

Caça ao Indie

Géneros de ontem, jogos de agora

Não há géneros mortos: há géneros adormecidos. Os 3 indies desta caçada provam isso mesmo.

Análise

Unruly Heroes: a oeste do deslumbramento

Um sintoma de que 2019 vai ser um excelente ano para os videojogos (como aliás, têm sido os últimos 3) é que neste início…

Opinião

WarGroove: o Sapateado Medieval perante a Música de Guerra

Já sabemos que este é um dos grandes jogos deste início de ano, mas que modos de jogo podemos encontrar em WarGroove?

Antevisão, Caça ao Indie

Bad Retromancer

O feitiço que Retromancer lançou foi inesperado mas o seu resultado é interessante.

Opinião

O Puzzle da árvore pinchona: um poema para Jumper Tree

Era uma vez uma bola Que saltava em qualquer direcção Mas não se podia mexer à tola Pois não era essa a solução.  …

Análise

When Ski Lifts Go Wrong: eis a pior estância de ski de sempre

When Ski Lifts Go Wrong, lançado originalmente em Early Access com o título Carried Away, chegou à Switch e ao PC, ainda que jogá-lo com rato e teclado seja a solução perfeita.

Análise

Bladed Fury: o engenho e a perfeição chinesas

Bladed Fury é um dos melhores jogos que jogámos em Janeiro, e uma prova (se é que ele era necessária) do tremendo talento das equipas indie da Ásia, em especial da China.

Caça ao Indie

Azusa online e o cosmos “inspirado”

Este MMORPG é tão inspirado em Saint Seiya que é quase uma contrafeito.