Como diria o famoso cientista em relação aos dinossauros, Life finds a way. A vida encontra sempre o seu caminho e normalmente esse caminho cruza-se invariavelmente com os humanos, resultando em caos e desmembramento. Primal Carnage não é um jogo súbtil ou reservado, nem nós assim o queremos. Eu quero caçar dinossauros armado de uma caçadeira ou melhor, com um lança-chamas. Não quero saber se foram uma maravilha da evolução, um animal mítico que realmente existiu e que estudá-lo seria ganhar informação inigualável acerca da evolução da vida na terra. Eu só quero mesmo matá-los, com fogo.

Mais do que isso, mais do que esse prazer tão cruel e humano em tirar a vida a um bicho do tamanho de um prédio das Amoreiras, o meu coração pede mais. Eu quero ser um T-Rex. Eu sei que é um sonho bizarro, mas perguntem à minha mãe, ela vos dirá que ainda mal sabia andar e já respondia à pergunta “o que queres ser quando fores grande” com a resposta: quero ser um dinossauro e mutilar pessoas em luxúria sangrenta. Mas com voz de bebé, claro.

Entrega ao domicílio.

Parece que finalmente teremos este ano a oportunidade de meter as mãos na pérola Indie da Lukewarm Media, pelas mãos da Reverb Publishing. Dinossauros foram libertados numa ilha de complexo militar e um grupo de mercenários tem agora a missão de eliminar a ameaça. E nem precisávamos de tanto, bastava dizer homens, dinossauros, matar e a coisa resultaria sempre. Em Primal Carnage temos a oportunidade de jogar em modo multijogador escolhendo uma de duas facções, cada uma com 5 diferentes classes. Do lado dos homens poderemos controlar o Cientista, o Comando, o Batedor, o Caçador e o Pyro. Nos dinossauros podemos escolher Raptor, Dilophosauros, Pteranodon, Compsognathus e o nosso amigo T-Rex. Cada uma das classes tem funções muito diferentes consoante as suas características, como o papel de Tank desempenhado pelo T-Rex, as habilidades mais ofensivas do Comando e do Raptor, ataques a longa distância do Cientista, ou as habilidades mais furtivas do Dilophosaurus e do Caçador. O Pteranodon é a única classe voadora e o pequeno Compsognathus promete ser letal em grandes grupos, para além de ser difícil de atingir.

Acho que vi um arbusto a mexer-se.

O jogo alterna entre a perspectiva na primeira pessoa para os humanos e a terceira pessoa para os dinossauros. Os mercenários, tentando alcançar bases abandonadas na ilha, terão de percorrer a selva envolvente onde as bestas pré-históricas esperam na esperança de os poderem almoçar. Os detalhes dos vários modos de jogo ainda não foram revelados, mas espera-se que o famoso Deathmatch seja certamente um deles, com a promessa de modos com objectivos em que os jogadores terão forçosamente de trabalhar em equipa.

Mas quem se questiona até que ponto não é uma batalha injusta para os dinossauros tendo em conta que os humanos carregam grande poder de fogo descanse, porque os mapas estarão repletos de dinos não controlados pelo jogador, por isso acredito que são os humanos que terão muito que fazer. A Lukewarm anunciou a abertura de uma Beta para breve, pelo que por enquanto nos contentamos em fazer refresh à página de Primal Carnage em antecipação. Esperemos em breve vos trazer mais notícias assim que tivermos oportunidade de meter as unhas neste jogo. E eu finalmente serei um homem realizado.