Havia os Donos Disto Tudo. (E ainda há, mas não digam a ninguém!) Agora há os donos de nada disto. Ou seja, nós! Os consumidores de produtos digitais.

Outrora fui grande opositor de compras digitais, contudo com o passar dos anos passei a ser cada vez mais de adepto de jogos digitais principalmente devido à facilidade de acesso a estes. Mas cada vez mais começo a entender a preferência de alguns jogadores em esperarem por ou criticarem a ausência da possibilidade de uma cópia física de um jogo. Isto porquê? Por razões várias mas em particular dois exemplos.

O primeiro, mais antigo, mas não muito mais:

A Activision era detentora dos direitos de todos os jogos da franquia Transformers da Hasbro. Devido a seja lá o que for, retirou todos os jogos do Steam. Eu só tinha um, o Transformers Devastation e desde então, não o consigo jogar. O jogo já não está disponível para compra, nem achievements nem nada, mas ainda aparece na minha biblioteca tal como tem estado desde que a minha esposa me ofereceu. Mas, desde que foi retirado pela Activision que não o consigo jogar, pode ser por azelhice minha, mas também pode ser por outras razões que não tenho conhecimentos técnicos para descortinar, só que a verdade é esta: Não consigo jogar. Já instalei, desinstalei, e o resultado é sempre o mesmo. Quando entro no jogo, ele faz-me kick antes de chegar a qualquer acção pós menu principal. Suspeito que seja por alterações à API do jogo, mas não sei corrigir. O que quer dizer que apesar de ser dono do mesmo, e da minha esposa ter gasto dinheiro nele que não é restituído, não posso usufruir dele. Imaginem que alguém vos oferece um carro, podem olhar para ele, está registado em vosso nome, mas não o podem conduzir, porque vai abaixo sempre que o ligam. Está só ali na garagem… parado… a estar… só a estar.

O segundo, mais recente:

A Telltale faliu/fechou, e saiu há uns tempos a notícia que todos os seus jogos iriam ser retirados do GOG como já alguns haviam sido do Steam, e não faço ideia do que se passou nas lojas das consolas. O que acontece nestes casos? Além da possibilidade técnica de acontecer o mesmo que me acontece com o Devastation? Eu percebo que não haja vendas do jogo porque o estúdio produtor/distribuidor não pode receber o dinheiro, mas e então quem trabalhou no jogo? Quem está creditado como tendo tido parte activa na produção? Não deviam essas pessoas receber algo das vendas futuras? Porque na verdade o jogo está lá, está feito, porque não se pode vender mais?

Prince morreu, as músicas dele continuam à venda em plataformas digitais. Se a sua editora fechar, alguém ou alguma irá tomar conta disso, se não tomar acho que existe um fundo colectivo para esses casos, no mundo dos videojogos isso não existe. Essas confusões são precisamente isso, confusões. Quem tem uma cópia física de Purple Rain não só tem uma cópia dos melhores álbuns completos alguma vez feitos, mas também não tem que se preocupar com o retirar de algo de suporte digital. Quem tem jogos físicos também não, podem retirar o que quiserem que vão sempre poder jogar. E não têm que se preocupar com falta de ligação à internet para DRMs e outras coisas.

Portanto, quando olho para a minha biblioteca de Steam, Switch e Xbox One fico a pensar que se calhar não tenho as centenas de jogos que julgava ter, e apenas 1 em PC, 2 na Switch e cerca de 7 na Xbox One… estando os outros reféns de interesses de corporações.

Tudo bem que esses jogos fisicos incluem Red Redemption, Mafia II, The Witcher (o primeiro) e Legend of Zelda: Breath of Wild, podia estar pior servido.

Mas podia estar melhor…