Inglaterra, século XVIII, um castelo repleto de demónios aparece vindo do nada. Miriam é uma orfã que foi sujeita a experiências demoníacas pela Guild dos alquimistas e tem o poder de incorporar cristais (shardbinder) que lhe atribuem poderes sobrenaturais. Só Miriam poderá derrotar estes demónios mas à custa da sua humanidade. Este é o mote de Bloodstained Ritual of the Night que é um jogo de acção side-scrolling com elementos de RPG e que decorre num período gótico/início da revolução industrial.

O autor de Bloodstained RotN, Koji Igarash, é também o autor Castlevania: Symphony of the Night que é um dos melhores e mais influentes jogos de sempre. Em 2015, Koji Igarash deixa a Konami e apresenta Bloodstained RotN no Kickstarter como um sucessor espiritual de Castlevania SotN. Esta campanha de crowdfunding quebrou recordes e angariou mais de 5,5 milhões de dólares com quase 65 mil supporters a apoiarem o seu desenvolvimento.

Bloodstained RotN é Castlevania SotN! Muda o nome e a história, mas pouco mais muda. Bloodstained RotN mantém o aspecto 2D side-scrolling mas num ambiente com profundidade tridimensional. Esta acção em duas dimensões e meia foi levada a um novo patamar e Bloodstained tem momentos de pura genialidade com os efeitos gráficos muito bem conseguidos, de um detalhe e de uma beleza poucas vezes alcançadas num videojogo.

A jogabilidade, igual à do Castlevania: SotN,  continua perfeita,  dezenas de armas com atributos diferentes, centenas de inimigos, dezenas de magias e muitos elementos de RPG que têm mais ou menos efeito no desenrolar da história.

Bloodstained RotN tem diversos finais, sendo que para conseguir o bom final demora-se cerca de 25 horas. E isso é sem fazer a maior parte dos side-quests ou dos troféus. Completámos o jogo e nem 50% dos troféus PSN foram conseguidos. E não se pense que isso é uma coisa má, pois agora podemos apreciar jogo, ver todos os pequenos pormenores e sem o stress de ter de conseguir derrotar os bosses. Será ainda necessário acabar os mini-bosses, descobrir 100% do mapa, completar side-quests, descobrir armas raras etc etc. Aliás, uma dessas tarefas secundárias é uma homenagem aos castlevania 8 bit. A longevidade do jogo ainda será maior quando forem lançados modos extra gratuitos como os modos multi-jogador: cooperativo e versus.

Bloodstained RotN e, obviamente, Castlevania SotN são uma referência em gaming design. Áreas do jogo são só acessíveis depois de completar certos objectivos e estes percurso/puzzles estão todos muitíssimo bem elaborados.  Os atributos da heroína vão evoluindo e são necessários para progredir no jogo: duplo-salto, inverter a gravidade, etc, etc.  O jogo começa de uma forma calma e assertiva e, em crescendo, acaba de uma forma rápida, agressiva e frenética.

Mas nem tudo é perfeito. Bloodstained apesar de ter boa música, não é tão deslumbrante quanto a do Castlevania SotN e, mesmo numa PS4 Pro, em dois bosses há redução notória dos frames por segundo.  Alguns side-quests são repetitivos e aborrecidos e sem os novos updates há problemas com a gravação do nosso progresso.

Bloodstained RotN é uma obra-prima!

Mecânicas antigas associadas a técnicas modernas é o melhor de dois mundos. Estamos num fim de ciclo desta geração de consolas e este jogo será um dos jogos mais marcantes nesta geração. Acresce-se a isso que foi um jogo crowfunded e que tem um preço muito apelativo de 40€.

Depois de completarem Bloodstained RotN, poderão aproveitar e ir jogar Castlevania Symphony of the Night que já tem remake nas novas plataformas e que está na colecção Castlevania: Requiem. Dois jogos a não perder.