Foi com imensa alegria que vi o trailer de Top Gun Maverick, depois de ter revirado os olhos bastante quando soube que iam fazer o filme. Confesso que estava bastante reticente por pensar que ia ser um mungir da vaca nostálgica por parte de Tom Cruise e da equipa de produção de Top Gun, mas depois de ver o trailer percebi que sim, vai ser um mungir de nostalgia mas em bom. Quase todas as imagens e falas do trailer são um espelho ou referência ao primeiro filme que apesar de ter o pior beijo da história da cinematografia, que até artistas da indústria de cinema adulto concordam ter língua a mais, é sem sombra de dúvida um dos maiores filmes da década de 80, e talvez o melhor de 1986.

Top Gun, deu asas ao sonho de muitos jovens de serem pilotos de caça e provavelmente os gajos mais fixes do bairro num blusão cheio de emblemas e uns Ray Ban Aviator, eu inclusive. Infelizmente, tal como eu mais de 99.9% dos jovens que cresceram com Maverick, Goose e Iceman não seguiram a carreira de piloto aviador naval. E portanto tivemos que nos submeter ao melhor substituto possível, os videojogos. Daí, e enquanto esperamos por um dia de 2020 para poder ver Top Gun Maverick, uma pequena lista de jogos que me fizeram sonhar com F-14 e Migs 21.

Uns anos depois do lançamento do filme, estava disponível para a NES Top Gun. Um jogo simples em que tomávamos controlo de um F-14 como Maverick. Como a maior parte dos jogos desta altura não era longo. O objectivo era cumprir as quatro missões de destruição. Uma de teste, um porta-aviões, uma base e um space shuttle. Porque na guerra fria tudo o que fosse russo era um risco e era para ser abatido. Não era grande jogo, mas não havia melhor substituto na altura e a música era bem fixe.

Anos mais tarde lançaram também para a NES Top Gun: Second Mission que nunca joguei, mas joguei nos anos 90 Top Gun: Guts and Glory para Game Boy. Mecanicamente era semelhante ao original em que controlamos Maverick dentro de um cockpit, mas ao contrário de Top Gun podíamos escolher mais aviões como um Mig-29 e um F-16 além do clássico Tomcat. Era mau, mas dava para jogar.

Quase uma desilusão maior foi Top Gun Firestorm Advance para Game Boy Advance uns anos mais tarde. Ao contrário da vista dentro do cockpit este era mais semelhante a um Desert ou Soviet Strike em que controlamos o caça numa perspectiva isométrica para completar missões. Era fraco mas bem melhor que Guts and Glory.

Curiosamente, tal como em tantos outros casos as versões “inspiradas” são melhores que as versões oficiais tal como a série Ace Combat (originalmente Air Combat) mas todos os filhos dos anos 70 e 80 só têm um jogo que é considerado o ex-libris dos caças. Falo obviamente de Afterburner especialmente se tivermos acesso à máquina de arcada completa.

Afterburner é talvez o jogo em que gastei mais moedas durante a minha vida. Era quase um reflexo pavloviano em que se eu visse uma máquina a minha mão ia automaticamente ao bolso buscar uma moeda de 50 escudos. Foi portado para várias consolas e computadores de casa incluindo a Master System mas nada como jogar nas antigas salas de jogos. A sensação de controlar aquele caça e sentir o virar, subir e descer ao mexer do controlo era a sensação mais realista que podiamos ter, ainda hoje um dos meus sonhos era ter uma máquina destas em casa. Um sonho que podia estar morto depois de eu crescer, mas ainda não. Até lá esperemos pelo regresso de Maverick e Iceman.