Após o anúncio de Pokémon Sword e Pokémon Shield para a Nintendo Switch as reverberações de descontentamento que ecoaram pela internet não foram novidade para um anúncio de um título da franquia, mas fizeram-se sentir mais intensamente.

Há muito que o potencial dos jogos feitos pela Game Freak é questionado por quem aponta que a evolução de Pokémon não está a par do standard da indústria. Mas como os jogos principais da série estavam reservados para as portáteis da Nintendo, as limitações técnicas serviam de justificação. A Nintendo Switch veio mudar este panorama. A consola híbrida onde Mario e The Legend of Zelda lançaram novas aventuras que aproveitaram o salto tecnológico e que deixou os fãs com esperanças ainda mais elevadas para a próxima entrada de Pokémon. Afinal de contas, é uma consola que promete correr The Witcher III.

Split-Chicken #03 – O apocalipse do Poké Bank, do Swamp Thing, e dos eventos nacionais

No entanto, Pokémon Sword e Shield, como habitual, apresentou-se sem grandes inovações em relação aos seus predecessores, e para adicionar à polémica, remove a Pokédex nacional, limitando os pokémon que podem ser transferidos para o jogo àqueles que já fazem parte desta região. Algo impensável para quem tem vindo a transferir todas as suas capturas consistentemente para os novos jogos. Aparentemente os monstros digitais já são muitos, e então o esforço foi focado num menor número, em benefício de por exemplo as animações individuais. *COF COF*

"Very" High Quality animations. from pokemon

Tudo isto criou a tempestade perfeita para o surgimento de uma comunidade no Reddit intitulada “/r/theperfectpokemongame”.  Insatisfeitos com o tratamento da Game Freak, partilham arte, ideias e clipes de clones da série comparativamente fantásticos (e que deviam deixar os produtores da franquia envergonhados). Em conjunto, procuram imaginar o jogo perfeito.

São muitas as ideias que prometem melhorar a série como gráficos atuais, animações de batalha mais variadas e trabalhadas, quiçá com um sistema de combate em tempo real ao estilo do que é feito com os familiars de Ni No Kuni na PS3. Há quem proponha maior inclinação para o RPG com missões secundárias e escolhas, a inclusão de temas com mais maturidade e níveis de dificuldade. Há quem sonhe mais alto com versões de realidade virtual ou um MMO, e quem peça apenas algo tão simples como a possibilidade de ter qualquer pokémon à escolha do treinador os segui-lo fora da pokébola.

Eu próprio me juntei à comunidade para ver arte conceptual e sonhar.

Artista: @asteroid_ill

No entanto fui reparando que o subreddit é uma prova viva de um facto já muito conhecido, mas que poucos põe em prática quando se trata de defender o nosso lado da barricada: Não se pode agradar a toda a gente.

Por cada sugestão, como o combate em tempo real, há quem considere isso um sacrilégio às origens de combate por turnos do jogo. Por cada um que exalta o sonho de gráficos e exploração à la Breath of the Wild, outros pedem o regresso ao estilo original ou até com inspirações na arte de Octopath Traveller.

– “VR?”

– “Não, devíamos era voltar ao 2D!”

– “Multiplayer/MMO?”

– “Outros jogadores no meu mundo? Nunca!”

Mesmo quando o objeto da nossa predileção é o mesmo, as razões pela qual nos cativa são diferentes. Seja Pokémon, Star Wars, filmes de super-heróis, Conan Ósiris ou ananás na pizza, por muito que tenham um ângulo técnico que possa ser analisado, estão associados às experiências e gostos pessoais do indivíduo, e uma pequena mudança que seria perfeita para um, estraga tudo para outro.

Pessoalmente não me apego a mecânicas nem a arte retro, e gostaria de facto de ver a série progredir e inovar em algo mais substancial do que insuflar os pokémon.

Teoria sobre a origem de DINAMAXING em brainstorming da Game Freak: -“O que é famoso no Reino Unido?” – “Futebol! Vamos fazer as batalhas em estádios!” – “Mas assim mal se viam os pokémon…” – “Já sei!”

Mas se há algo em que /r/theperfectpokemongame concorda é que a vaca leiteira que é Pokémon, está nas mãos erradas.

Entretanto, a Game Freak, efetivamente detentora de parte da franquia, ri-se enquanto enche a conta nem que se limite a fazer remakes dos originais com mais palavras nos títulos.

Perfeito não existe, mas… fuck you too.