Caçada Semanal #207

O passado é um bom conselheiro. Diz até a máxima popular que “quem não conhece o passado está condenado a repetir os mesmos erros no futuro”. Não quero ser tão fatalista, até porque esta é uma caçada indie onde falamos de 3 jogos que vão buscar quase tudo à nostalgia, mas a máxima popular tem razão.

Voidrun [PC]

Então e se de repente tivéssemos um retro shooter em que não… disparamos? Voidrun é isso mesmo: um bullet hell em que temos de nos desviar como o André Silva do PAN quando alguém lhe pergunta informações sobre o seu programa eleitoral, e ao mesmo tempo ter de destruir todos os inimigos sem sequer termos uma bala disponível.

Para isso temos uma forma bastante original de combatermos os adversários: com bombas que temos de espalhar no chão, circundando-os para que elas sejam eficazes. Por alguma razão tecnológica que eu desconheço, os cientistas que conceberam as bombas de Voidrun definiram que elas só explodem se ficarem unidas numa linha fechando uma forma, seja um círculo ou outra coisa qualquer.

O número limite de bombas é outra parte do desafio, já que temos de recolher as bombas não-explodidas para as reutilizar nos inimigos. Voidrun é também por isto um jogo muito difícil, não só por termos de circundar os inimigos sem colidir com eles, como despejar bombas à sua volta, enquanto saraivadas de projécteis nos querem deitar abaixo.

Com uma paleta de cor interessante, Voidrun não é apenas um excelente shooter retro em que não disparamos em ninguém: é também um dos jogos mais originais dentro de um género que por vezes parece não saber mais o que inventar. Afinal ainda há muito para fazer.

Exception [PC, Switch, PS4, Xbox One]

Toda a gente tem aquela tia ou tio que estão para a segurança informática como a malta do Jersey Shore está para o sexo seguro. A dúvida nos PCs e telemóveis destes nossos familiares não é se têm vírus, mas sim se o dispositivo ainda tem cura ou se devia ser atirado para o lixo com luvas.

É exactamente sobre estes computadores que Exception fala, um jogo onde vivemos o papel de uma versão antropomorfizada dos processos de um sistema operativo, em que nós somos umas linhas de código, a Excepção, dentro de uma estrutura completamente infectada com vírus.

Neste hardcore action platformer do estúdio Traxmaster Software, tudo lembra o clássico Strider mas em esteróides. Exception é um jogo que nos obriga a uma extrema velocidade e a uma exímia precisão nos nossos saltos e ataques, algo que toma reais proporções quando chegamos às boss fights.

Com um visual cheio de luzes e neons (por alguma razão o interior do nosso computador parece ter saído dos anos 1980) por 12,99€ este é um dos mais desafiantes hardcore platformers lançados recentemente. Um jogo polvilhado de humor que pega em clássicos do género e trá-los para a contemporaneidade.

Zeus Begins [PC]

Se Exception pega na nostalgia e lhe dá uma roupagem contemporânea, Zeus Begins pega em jogos retro e apresenta-se como um. Este retro side scrolling brawler vai soar a um tremendo déja vu, com todos os elementos clássicos do género a surgirem aqui inalterados.

Em Zeus Begins, o titular Zeus ainda não é o Pai Celestial do panteão grego, e vê-se obrigado a fugir enquanto os Titãs devoram os seus irmãos e irmãs. Munido de murros, pontapés e ataques especiais com relâmpagos, Zeus tem tudo o que um brawler clássico tinha, até a necessidade de kiting.

Entre níveis o estúdio The Dude Games decidiu incorporar outro género numa abordagem retro: os top down shoot’em ups. Sem mecânicas novas em qualquer uma das duas abordagens, Zeus Begins, à venda por 8,19€ pode não ser o exemplo mais aconselhado para os revivalistas de brawlers. Não sendo de todo um mau jogo, fica naquele cantinho especial à espera de uma promoção que justifique a sua compra.