Yu-Gi-Oh!, jogo de TCG com uma longevidade maior que espectável, motor financeiro da Konami e série de animação onde o protagonista é automaticamente identificado pelo cabelo. Enquanto espero pela análise do jogo para Switch feita pelo Ricardo, e depois de ter visto que a franquia é das 25 que mais factura no entretenimento mundial, decidi escrever um pequeno artigo que mostra que essa facturação permite ocasionalmente à empresa tentar um ou outro spin-off menos bem sucedido tal como Dungeon Dice Monsters para GBA em 2001 no Japão e 2003 no resto do mundo. 

Se não sabem o que é Dungeon Dice Monsters, nunca ouviram falar ou jogaram sinceramente não é de admirar porque este spin-off foi quase totalmente ignorado pelos fãs, um pouco com razão e outras com alguma pena porque o jogo era interessante teoricamente mesmo que tivesse algumas falhas na sua aplicação real.

Para quem conhece o conceito de Yu-Gi-Oh! o conceito de de Dungeon Dice Monster é mais fácil de entender, usamos os mesmos personagens que no jogos de cartas (pelo menos até à data) só que eles estão em dados. Ao jogar o dado no campo abrimos o dado (dentro de certas formas com os seus 6 lados) para fazer uma espécie de caminho até ao nosso adversário e retirar-lhe os pontos de vida. O nosso adversário tenta fazer o mesmo e bloquear o caminho do com os seus personagens criando assim uma espécie de battle chess alternativo e algo complexo porque só podemos jogar dados se tivermos espaço para os abrir. Não é fácil explicar mas se olharem para a imagem abaixo e pensarem que temos que abrir 6 casas em sequência dá para perceber.

O jogo segue neste estilo e dentro do mundo do Faraó. A ideia era óptima mas os maus gráficos, mesmo naquela altura, e acima de tudo uma péssima A.I. que não apresentava o mínimo desafio não conseguiram dar o suficiente para este jogo ter tracção e seguir o seu caminho ao lado do jogo de cartas. A Konami lançou um jogo físico mas não pegou igualmente.

Yu-Gi-Oh Dungeon Dice Monsters é um jogo que deve ser testado especialmente pelos fãs da série de jogos com a ressalva que não vão ser daqueles que vão dar grande luta ou agarrar de maneira nenhuma. É capaz de deixar um sabor amargo na boca porque se gostarem, vão querer que ele vos dê mais e não o vão conseguir. Se não conhecem Yu-Gi-Oh!, vejam a série, leiam as mangas, joguem os jogos.