Há uns bons tempos defendia que os videojogos deviam abster-se de assuntos políticos, por uns aspectos estava errado por outros ainda continuo a achar que a intromissão da política no meio seria algo descabido e desnecessário. Videojogos sem política serão o mesmo que arte sem ideologia. E videojogos podem ser arte.

Todas as actividades humanas não estão livres de influências ideológicas e políticas e isso é bom, faz parte também da liberdade de expressão, sobretudo do artista e do criador, mas também do público que o contacta.

Devotion foi retirado do Steam e de outros meios de distribuição depois de supostamente ter comparado o Presidente Chinês com Ursinho Pooh, perdeu-se assim acesso a uma obra de arte de terror vinda dum indie Taiwanês.

Os nossos valores de democracia fundaram-se pelo principio da liberdade de expressão e é devido a isso que hoje podemos falar e escrever sobre o que pensamos. E foi nesse sentido que defendi que a política deve estar fora desta indústria, mas não me expliquei melhor, cabe ao artista escolher a mensagem que quer transmitir com a sua obra e cabe a quem pegar nessa obra interpretar ou não essa mensagem, consumir ou não esse produto, criticar ou não sobre isso.

Anton Zaslavski foi permanentemente banido de entrar na China depois de ter partilhado um tweet do South Park

A censura não é só banir conteúdos, mensagens ou indivíduos, também passa por ter gente ou certos indivíduos que tentam moldar a obra dum artista ou tentarem limitar a sua liberdade de expressão no que consomem. Por muito errada que possa estar esta limitação de liberdade dum individuo, não contribuí com este artigo para que haja diálogo e reflexão sobre o que pode ou não estar errado.

Em 2018 o Youtuber Shirrako viu o seu canal ser banido por uma afluência grande de queixas de feministas zangadas com o facto do jogador ter esmurrado uma sufragista no jogo.

Já aconteceu e irá acontecer novamente todos os anos, este ano de 2019 está a ser muito célebre em casos similares. Mas das piores formas de censura são aquelas que atingem directamente indivíduos e restringem as suas liberdades.

Em pleno século XXI ainda existem países que não cumprem com os direitos humanos mais básicos. Democracia e liberdade de expressão não existem e quem quebrar essas regras rígidas é punido, muitas vezes com pena de morte.

Na revolução cultural Chinesa muito património histórico foi destruído.

A China passou por profundas alterações político-sociais ao longo de 70 anos: mudaram de um sistema baseado no feudalismo para um sistema comunista que oprimiu um Povo que foi em si mesmo reprimido durante a revolução cultural, onde se destruiu a maioria do passado histórico e se rescreveu a História, onde de doutrinou uma inteira geração, grandes fomes e tudo para bem do progresso do socialismo. A China é demasiado grande para si própria e é difícil resumir assim tanto a sua historia que teve bons momentos de relativa paz social, acreditava-se que estaria a caminhar no sentido da democracia, mas foi apenas uma miragem e uma distracção.

Na China a censura, nomeadamente em videojogos, não é nada novo

A China é hoje uma potência a caminho de se tornar a maior do Mundo, por culpa da ganância e da hipocrisia do Ocidente. A sua mão de obra barata atraiu multinacionais que via aí território para obter produtos baratos para margens de lucro obscenamente enormes. A China aproveitou, foi crescendo ao ponto de dominar quase toda a produção mundial de quase todo o tipo de produtos, e hoje mais que isso, serviços e agora influência política e ideológica.

O Plágio é pratica comum e normalizada tudo é passível de ser copiado pelos chineses

Quem continua a sofrer é o povo, sobretudo a maior fatia, os mais pobres e assalariados que não têm direitos, fazem de número para a maior fonte de mão de obra do mundo e é por isso que é tão barata. Agora estamos a pagar caro por isso, agora é a democracia e a nossa liberdade de expressão que está em risco.

Este simples meme originou uma onde de proibições, a versão chinesa de Kingdom Hearts III não tem o Winnie the Pooh

Tudo isto porque Bobby Kotick”s” e J. Allen Brack”s” venderam a sua alma ao diabo, mas a culpa não é só deles, é também nossa, andamos distraídos e ao mínimo problema assobiamos para o lado, porque ou estaremos a escrever ou a jogar com coisas fabricadas na China.

Pessoalmente concordo que tanto Macau como Hong Kong pertencem à China, o que as potências ocidentais fizeram foi algo mau que acabaram por pagar. Mas nós não temos que pagar por algo que antepassados nossos fizeram, temos que trabalhar para que não se repita, temos que construir todos um mundo melhor e não tentar replicar o que fora feito no passado.

Hong Kong pede democracia e direitos humanos básicos e a isso tem direito e não é negociável!

Mei uma personagem do jogo Overwatch tornou-se símbolo da luta pela pela liberdade de Hong Kong!

A Blizzard como qualquer outra companhia que trocou os seus consumidores por dinheiro sujo de sangue, trocou os valores de democracia e liberdade de expressão não merecem continuar a existir, mudem-se para lá, não os queremos do nosso lado.

Blitzchung é um herói, teve a coragem que poucos tiveram e nós devemos todos estar do lado dele e tentar mudar o mundo.

Fontes:

https://www.businessinsider.com/blizzard-reduces-pro-hong-kong-hearthstone-player-blitzchungs-ban-2019-10

https://www.businessinsider.com/blizzard-fans-overwatch-mei-hong-kong-protests-memes-2019-10

Winnie The Pooh continues to face ban in China as he’s virtually erased from Kingdom Hearts III

DJ Zedd Banned From China After Liking ‘South Park’ Tweet

https://en.wikipedia.org/wiki/Copy_to_China

https://en.wikipedia.org/wiki/Book_censorship_in_China