Mais um ano e mais um Call of Duty. Desta vez deixaram de  fora as grandes apresentações à Hollywood e focaram-se no jogo… pelo menos foi a ideia que a Infinity Ward transmitiu. Em Setembro foi lançada a beta multiplayer do jogo e ficou-se que a ideia de que o Modern Warfare ia voltar às suas origens, até tem o nome do primeiro Modern Warfare, e ia ter um jogo muito bem conseguido.

Lançado no final de Outubro, Modern Warfare tem 3 modos distintos de jogo: modo campanha (single player), special ops e multiplayer. Lançado para PC, PS4 e Xbox One, o jogo ocupa uns 100 gigas e é um dos jogos que mais espaço ocupa tanto em consolas como em PC.

O single player que não esteve presente no último jogo da série, Call of Duty: Black Ops 4, começa com um ataque bombista em Piccadilly Circus, Londres. O terrorismo e a guerra ao terrorismo é o grande tema do jogo. Após o ataque a Londres, Captain Price e a sua equipa vão atrás dos terroristas da  Al-Qatala no Urzikistão (Urzikstan em inglês e é um país fictício mas que faz fronteira com a Rússia). Para além de quererem acabar com a Al-Qatala, as forças internacionais  tentam recuperar armas químicas na posse dos terroristas e contam com a ajuda dos rebeldes que são liderados por Farah Karim. Os rebeldes em troca, esperam que as forças internacionais os ajudem a expulsar as forças Russas no país. A história do jogo acompanha Captain Price (para quem conhece os CoDs, Price não é um estranho) e cronologicamente este episódio precede CoD 4: Modern Warfare embora numa realidade alternativa em que Price aqui não morre.

A narrativa não é linear no tempo e há diversos flashbacks em que ficamos a saber a história da líder dos rebeldes bem como a do seu irmão. O argumento é interessante e é baseado em factos reais e modernos. Tecnicamente o jogo é um CoD. Ou seja, é um first person shooter (FPS) linear mas com a intensidade de combates e espectacularidade que estamos habituados nos single player dos CoDs. Gráficos deslumbrantes com a jogabilidade do costume, ou seja, se levarmos uns tiros ficamos escondidos até estarmos novamente com a energia toda. Nota-se que houve preocupação em recuperar muitos dos elementos que tornaram o CoD 4 um dos melhores jogos de sempre. Lembram-se da missão dos snipers do CoD 4? Aqui há uma missão semelhante e a visão nocturna que no CoD 4 nunca resultou, mas que aqui resulta na perfeição.

Numa tarde consegue-se acabar o modo campanha e é um bom regresso do single player nos CoDs. No entanto nem tudo é perfeito pois há demasiada violência… sei que isto parece estranho dizer num CoD mas um videojogo tem por missão entreter-nos. Este CoD tem demasiadas coisas reais com muita propaganda política anti-comunista. Para além disso, algumas missões são fracamente pertubadoras com execuções, tortura, genocídio e uma dessas missões é como uma criança sobrevive à guerra… Esquecendo as tristezas da vida que este jogo nos traz à memória, o modo campanha deste Modern Warfare é excelente.

O modo Special Ops é um modo online onde, com mais três pessoas, fazemos um conjunto de missões que acontecem após o modo campanha. Este modo já tinha acontecido em Modern Warfare 2 e 3 e substituem os modos Zombies que encontramos em outros CoDs. Este modo de jogo tenta adicionar um pouco mais à história é divertido mas é apenas um agradável suplemento à história.

Mas Modern Warfares e CoDs são principalmente conhecidos pelo multiplayer, principalmente pelo modo Search & Destroy. No Modern Warfare temos diversos modos de jogo como por exemplo Team Deathmatch (6vs6 e 10vs10), Cyber attack, domination, Headquarters, Ground War. No entanto, é no multiplayer que as coisas correm mal. Os gráficos aqui já são bastante mais vulgares, ainda são eficientes mas começam a mostrar idade. Continuamos a ver pés a atravessarem paredes e os mapas continuam a ser muito estáticos. Para além disso, os mapas são muito mal desenhados e arruínam completamente o jogo. Em Search & Destroy é inconcebível que uma das bombas esteja perto dos atacantes. Este péssimo desenho de mapas faz com que estes se joguem sempre da mesma maneira sendo quase impossível ganhá-los a jogar à defesa. Como se isso não bastasse, o Search & Destroy passou a ser um jogo de 6 contra 6 e que aliado a um horrível matchmaking faz com que usualmente se jogue num 4 contra 6. O problema de equilíbrio das armas já não é novo… é frustrante não conseguir matar alguém que tenha um escudo balístico. Lança-se granadas ou rockets e os escudos aguentam tudo. É igualmente frustrante dar 10 tiros numa pessoa que para além de não morrer, depois atira-nos uma faca e nos mata instantaneamente. É inacreditável que uma caçadeira tenha mais alcance de tiro que uma metralhadora, etc etc… Usualmente estes problemas de desequilíbrio de armas costuma ser resolvido por updates. E por falar em updates, um destes costuma demorar horas… note-se que este problema é do jogo e não da velocidade de internet que se tenha.

Finalmente há o problema de fundo dos últimos CoDs ao qual este Modern Warfare não fica alheio. Nos primeiros Modern Warfare ficou logo definido duas maneiras distintas de jogar CoD: um modo em que se joga para não morrer. Neste modo tenta-se ganhar usando um modo mais furtivo. O modo dos Campers como costuma ser apelidado. O outro é o modo em que se tenta matar tudo. O modo dos Rushers, ou seja, aquele modo em que se corre tresloucadamente pelo mapa e mata-se tudo usando a rapidez. O modo dos Forrest Gumps.

Nos últimos Cods, bem como este Modern Warfare, benefecia-se a velocidade. Neste jogo a cadência dos tiros é tão rápida que é extremamente difícil defender. Esta maneira de jogar e estes mapas muito mal desenhados tiram estratégia ao jogo. É correr e fé em Deus. E isto é deliberado para que entretenha os mais novos pois assim matam sempre alguém, seja esse alguém melhor jogador ou não. É o facilitismo em matar adversários com o objectivo de vender milhões. E isto acontece há muitos e muitos CoDs. Diria que o último CoD em que havia um jogo mais estratégico foi o Modern Warfare 3 e isto ainda no tempo da Xbox 360 ou PS3. Sendo que para o ano iremos ter uma nova geração de consolas, este jogo foi a última oportunidade de se ter um CoD muito bom na actual geração de consolas e tal não aconteceu.

Modern Warfare é um muito bom jogo no modo campanha e é um jogo mediano no modo multiplayer. É um jogo ideal para Forrest Gumps.