As minhas análises sumárias aos DLC de Minecraft Dungeons há muito que se tornaram também um revisitar o jogo e um update geral a tudo o que há de novo. Aqui com Hidden Depths, mais que analisar o DLC em si, acabo por constatar que o jogo está cada vez maior, e provavelmente será um caso interessante de longevidade apesar da recepcção inicial ter sido morna.

Hidden Depths leva Minecraft Dungeons para debaixo de água, qual Bioshock mas sem ter nada a ver, e essa mudança realmente altera um pouco a maneira como jogamos o jogo. Agora também temos que nos preocupar com os níveis de oxigénio que baixam a velocidade bastante rápida, obrigando-nos a procurar uma nova fonte múltiplas vezes, algumas das quais com uma verdadeira sensação de urgência.

Há alguns inimigos novos e os antigos foram redesenhados

Sempre joguei este jogo muito à xoninhas, esperando esporadicamente por ter a poção de vida disponível par avançar de localização, ou para enfrentar uma nova turba. Este DLC dificulta um bocado este meu estilo de jogo, porque adiciona aqui e ali a urgência para avançar, a obrigatoriedade de procurar uma nova fonte de oxigénio independentemente do risco que isso acarrete. Nesse aspecto tenho de admitir que pela primeira vez o jogo parece diferente.

Tendo a concordar com o Rui Parreira quando este diz que levar um jogo para debaixo de água é quase como usar a carta de escapar da prisão na componente gráfica, no entanto isso não resulta com o grafismo de blocos típico de Minecraft. O jogo parece que ficou mais baço, parecendo somente que se adicionou um filtro azul por cima da paisagem. Claro que estar debaixo de água também significa que as flechas não mantêm a mesma inércia, caindo agora muito mais rápido, no entanto as dos nosso inimigos não sofrem do mesmo mal, criando uma assimetria desnecessária, embora compreensível, pois eu percebo que não podem acabar com as ameaças à distância sob pena de tornarem o jogo muito redutor, agora se me perguntarem se havia outras maneiras de fazer isso, eu teria de responder que acreditava que sim.

Graficamente tudo parece sob um filtro azul

Uma coisa que ficou, para mim, pior, foi a estrutura dos níveis. Antigamente cada nível tinha cerca de 45 minutos de conteúdo, neste DLC cada nível dura mais que uma hora, tendo ao mesmo tempo uma configuração muito mais labiríntica, a funcionar mais como puzzle. Isto fez com que só existissem 3 níveis desta vez, Coral Rise, Abyssal Monument e o já tradicional nível secreto, neste caso, Radiant Ravine. Sou muito sincero preferia largamente a estrutura anterior e não gostei muito desta alteração de design. Certo que na prática não mexe muito mas, por exemplo, ao invés de termos os habituais cinco níveis tem somente três.

Nem só de DLC vive o Minecraft Dungeons, agora que voltei ao jogo reparei que havia novos eventos a decorrer, talvez o mais urgente o evento que comemora o primeiro aniversário do jogo, mas o mais interessante foi para mim o Raid Captain’s, níveis em que vão aparecendo capitães que depois de derrotados nos dão tokens que servem para aumentar a dificuldade do nível ou alterar as regras do nível. Se concluirmos o nível ganhamos o Raid Captain’s Bounty.

Claro que há uma data de novas armas, armaduras, inimigos, artefactos e encantamentos. Isso está implícito em cada DLC. Mesmo que não tenhas o DLC podes jogar com amigos desde que eles o tenham e sejam o host da sessão. No final guardas o loot que conseguires ao jogar com os teus amigos. É um gesto bonito.

Minecraft Dungeons: Hidden Depths é um DLC interessante a um preço justo e vale a pena comprá-lo, tal como qualquer um dos outros. Desde o primeiro que digo que vale a pena comprar o Season Pass. Nenhum DLC reinventa a roda ou muda radicalmente o jogo, nesse aspecto este até se torna o mais interessante, mas não é com ele que a tua imagem do jogo irá mudar para melhor ou pior. Além de tudo, o mundo continua a crescer e não te falta o que fazer caso queiras voltar ao jogo. Vale a pena!