Análise

Team Sonic Racing: é possível mungir um ouriço?

Team Sonic Racing é interessante, mas sem uma equipa completa de humanos minimamente decentes numa pista de kart virtual, acaba por ser uma aposta quase exclusivamente indicada para os fãs do ouriço.

Análise

Total War: Three Kingdoms, a partir de um épico criar outro

Total War: Three Kingdoms arriscou em alternar a sua vivência clássica, aqui materializado com o modo Records, quasi-histórico, com uma vertente diferente, fantasiosa, na qual os generais são super-unidades que alteram a corrente da batalha. E ainda bem.

Análise

RDR 2 Online: o Oeste Selvagem, mais civilizado

Prontos para cavalgar no oeste multiplayer de Red Dead Redemption 2 Online?

Análise

Blood & Truth: o mundo pelos olhos de Guy Ritchie

Com Blood & Truth, o PSVR recebe no mesmo mês o segundo de um conjunto de exclusivos obrigatórios para VR.

Análise, Crítica

Octopath Traveler: oito aventuras para quem as sabe apreciar

Octopath Traveler é um jogo onde um vasto conjunto de elementos simples e já bastante vistos se compõe numa tela coerente cheia de subtilezas intencionalmente plantadas para que de uma forma natural o jogador se aperceba das suas relações.

Análise

Generation Zero: coisas estranhas, coisas fracas

O grande crime de Generation Zero é que o seu ponto mais apelativo, o visual, rapidamente se esfuma e nos faz ver o que está por trás: um jogo repetitivo com um loop curtíssimo que envolve pouco mais que destruir robots.

Análise

Zelda: Breath Of The Wild – o encanto de não querer terminar um jogo

A estratégia e o engenho são premiados em toda a medida de The Legend of Zelda: Breath of The Wild, que acaba por ser um pouco como a vida: raramente somos ensinados a fazer tudo, mas quem pensa e executa bem chega mais longe.

Análise

Rage 2: sem razão para fúria ou entusiasmo

Rage 2 foi anunciado numa E3 e caiu no esquecimento de muitos. Destino que lhe estará reservado depois do lançamento.

Análise

A Plague Tale: Innocence, a fragilidade e o medo de mãos dadas

Sejam os jogos de luzes e partículas, as brilhantes modelações e animações dos personagens, os detalhes e construção do cenário, cada momento de A Plague Tale: Innocence é uma verdadeira maravilha artística.

Análise

Muito mais que Hotline Katana ZERO

Apesar das limitações mecânicas, Katana ZERO consegue criar cada um dos seus níveis como um puzzle distinto por si só, criando um desafio constante em cada uma das suas onze missões.