Análise

Scarlet Nexus: perigosos jogos mentais

A análise a Scarlet Nexus, um dos melhores action RPGs do ano que nos chega pela mão da Bandai Namco.

Análise

Biomutant: de boas ideias está o i̶n̶f̶e̶r̶n̶o̶ mercado cheio

Diretamente da Suécia, Biomutant está em produção desde 2015, pelo estúdio indie Experiment 101, fundado por muitos developers da Avalanche Studios, trazendo na bagagem…

Análise

Chivalry 2: Bonito mas já vem tarde…

Chivalry 2 chegou e apesar dos developers terem ficado a ver o comboio passar quando a carruagem estava em andamento.

Análise, Caça ao Indie

Alex Kidd in Miracle World DX pode ter chegado tarde para a franquia

Alex Kidd in Miracle World DX pode ter chegado tarde para a saúde da franquia. Nesta análise tento explicar a razão para isso.

Análise

King of Seas: chamem-me o Pedro Ayres Magalhães, por favor

King of Seas é um jogo que na antevisão me deixou a salivar por mais, mas cujo resultado final é excessivamente superficial.

Análise

Biomutant: uma pequena lição para os grandes

Biomutant está pejado de falhas e fraquezas, mas é uma gradável lufada de ar fresco nos pontos em que acerta.

Análise

Minecraft Dungeons: Hidden Depths. Este jogo não pára de crescer…

Minecraft Dungeons não pára de crescer, não só com os DLC, aqui Hidden Depths, mas todo o jogo vai tendo coisas novas adicionadas sempre que volto.

Análise

Wonder Boy: Asha in Monster World – preso em 1994

Wonder Boy: Asha in Monster World é apenas uma boa utilização de cel-shading sem qualquer qualidade de game e level design a acompanhar.

Análise

Guilty Gear Strive: a culpa é do Metal

Guilty Gear Strive é uma maravilhosa porta de entrada que torna um dos mais ricos e complexos fighting games numa janela de acessibilidade.

Análise

Destroy All Humans! foi o remake que ninguém pediu

Embora me tenha divertido a jogar, em nenhum momento estive plenamente satisfeito com Destroy All Humans! e mais foram as vezes em que quis parar.