Crítica

Análise

A Plague Tale: Innocence, a fragilidade e o medo de mãos dadas

Sejam os jogos de luzes e partículas, as brilhantes modelações e animações dos personagens, os detalhes e construção do cenário, cada momento de A Plague Tale: Innocence é uma verdadeira maravilha artística.

Análise

Muito mais que Hotline Katana ZERO

Apesar das limitações mecânicas, Katana ZERO consegue criar cada um dos seus níveis como um puzzle distinto por si só, criando um desafio constante em cada uma das suas onze missões.

Análise

Jupiter & Mars: potencial desperdiçado

Quando me sentei à minha cadeira para escrever este artigo, a primeira palavra que me ocorreu para iniciar o texto foi «Infelizmente». Infelizmente, infelizmente a…

Análise

Um cocktail de coisas chamado Fade to Silence

“- Ó Zé, sabes o que é que os putos curtem jogar nos dias de hoje?”, pergunta alguém responsável pela criação de Fade to Silence, antes de fazer um pot-pourri de jogos.

Análise

Masquerada: bonitas máscaras vazias

Masquerada – Songs and Shadows é um jogo muito bonito, mas no fundo é só isso.

Antevisão

Pagan Online: a Leste do diabo

Pagan Online é uma agradável surpresa no mercado dos action RPGs, especialmente pelo facto dos seus autores terem decidido não ficar excessivamente colados à necessidade de emularem o sucesso de Diablo.

Análise

Close to the Sun: onde Ícaro queimou as botas(?)

Close to the Sun é um bom jogo narrativo onde toda a gente cola a direcção artística Art Déco a BioShock, tanto que os próprios criadores tiveram que lembrar que não existem semelhanças entre eles para além da visual.

Gomu Gomu no Chicken

Fate/EXTELLA Link: regresso à terra do button mashing

A par do seu antecessor, Fate/EXTELLA LINK não vai de todo mudar a minha vida, e é muito provável que daqui a uns meses já nem me lembre que o joguei, mas não deixou de me divertir enquanto durou.

Análise, Caça ao Indie

Grimshade, lendas de guerra e de texugos steampunk

Apesar do foco principal de Grimshade ser a história, aquilo do qual mais nos vamos lembrar é do combate por turnos.

Análise

World War Z: melhor que o filme, mas não tão bom quanto o livro

Sem o mesmo patamar mecânico de Left 4 Dead, World War Z é a sequela espiritual possível da série da Valve, trazendo-a para a modernidade, e uma das grandes surpresas do semestre.