Caça ao Indie

Análise, Caça ao Indie

FORECLOSED peca por pensar que somos todos lorpas

FORECLOSED é um deleite para os olhos, mas a minha análise ficou completamente minada por sucessivos aspectos que me distraíram do essencial.

Análise, Caça ao Indie

The Ascent é parra a mais para a uva que tem

The Ascent começa a um nível alto mas leva a que o nosso entusiasmo decresça com o tempo. Escrevi, bem cedo, a sua análise na minha cabeça.

Caça ao Indie

Afinal há jogos hardcor-de-rosa

Pinkman e Rabisco pegam nos géneros de acção e plataformas implacáveis e fazem-nos sentir bem recebidos na face de tanta morte.

Caça ao Indie

Há mundos que se resolvem ao clique do rato

Seja a procurar alguém querido em Chernobyl ou a disfarçar o que pode ser o crime perfeito, estes 2 indies mostram-nos o poder de um clique em mundos… virtuais.

Caça ao Indie

Mini Motorways: estou na estrada para o Inferno

Mini Motorways obriga-nos a resolver os problemas de trânsito de uma cidade que não pára de crescer,

Caça ao Indie

Aponta, clica, tenta, resolve, sucede

O mercado indie continua a ser solo fértil para aventuras gráficas. Os 2 indies desta semana mostram essa realidade.

Caça ao Indie

Ayo the Clown: pouco mais que uma piada conhecida

Ayo the Clown é um jogo não aconselhado a coulrofóbicos.

Análise, Caça ao Indie

Omno corta mais nas gorduras que um cirurgião estético

Omno foi um jogo que joguei por impulso, mas talvez tenha sido dos jogos que mais prazer me deu jogar e fazer a análise nos últimos tempos.

Antevisão, Caça ao Indie

Poker Quest: o ataque da mão do morto

Poker Quest é surpreendentemente profundo, e é daqueles jogos desafiantes que partem, de forma genial, de premissas de conhecimento geral como o poker.

Caça ao Indie

Cris Tales e um passado promissor com um presente duvidoso

Cris Tales é anunciado como sendo uma carta de amor aos JRPGs clássicos e vem carregado de ideias muito interessantes. Como é que todas se conjugam?