metroidvania

Análise, Caça ao Indie

Press Barra de Espaço

Recompile começa bastante bem, o problema é que cedo temos efectivamente que jogar o jogo, e é aí que os problemas começam.

Caça ao Indie

Acção quase a preto e branco

Os dois indies de hoje são quase monocromáticos, mas sabem utilizar todo o espectro de saturação para seu proveito.

Caça ao Indie, Ia-me Esquecendo

Eis The Messenger, O Grande!

The Messenger é seguramente um dos meus jogos favoritos de sempre. Mais que uma análise este texto é uma carta aberta que mostra o quanto gosto dele.

Análise, Caça ao Indie

The Wild At Heart é uma carta de amor à Nintendo

The Wild At Heart tem o mérito de procurar reproduzir o melhor de muitas franquias Nintendo e mesmo assim manter-se original.

Análise

Returnal: da arcada para o cinema

Returnal é um jogo repleto de inspirações, tanto de outros videojogos, como de obras cinematográficas, no que diz respeito ao seu ambiente.

Análise

Returnal: a valsa do eterno retorno

Returnal tem a mais valia de representar a inclusão original de elementos de roguelike e metroidvania num third person shoot’em up com o cunho único da Housemarque

Análise, Caça ao Indie

Narita Boy: mais do que um retro metroidvania em pixel art

Narita Boy começa lento e aborrecido, mas gradualmente torna-se num dos jogos do género que merece destaque.

Análise, Caça ao Indie

8Doors: Arum’s Afterlife Adventure: não olhes para trás, Orfeu

8Doors: Arum’s Afterlife Adventure é uma surpresa indie num género que este ano não tem tido lançamentos de relevo.

Caça ao Indie

Um pato, um gorila e um javali entram numa prisão e…

No que às mecânicas de metroidvania diz respeito, One Escape segue a tradicional fórmula na perfeição.

Antevisão, Caça ao Indie

Ender Lillies: Coração de princesa, alma de guerreiro

Ender Lillies está próximo de ser lançado e apesar das suas ligeiras falhas poderá ser um dos mais interessantes metroidvanias do ano.