PS4

Caça ao Indie

Vamos simular… por aí

Os simuladores existem em todas as formas e feitios, têm no mercado AA mas especialmente no mercado indie algumas das suas propostas mais… tresloucadas.

Caça ao Indie

Ideias que só acontecem em jogos indie

Os 3 jogos desta semana só poderiam mesmo ser jogos independentes. E ainda bem.

Caça ao Indie

Toda a gente foi lutar Kung Fu

Os dois indies de hoje, coincidentemente, são sobre Kung Fu.

Análise

Scarlet Nexus: perigosos jogos mentais

A análise a Scarlet Nexus, um dos melhores action RPGs do ano que nos chega pela mão da Bandai Namco.

Análise

Biomutant: de boas ideias está o i̶n̶f̶e̶r̶n̶o̶ mercado cheio

Diretamente da Suécia, Biomutant está em produção desde 2015, pelo estúdio indie Experiment 101, fundado por muitos developers da Avalanche Studios, trazendo na bagagem…

Caça ao Indie

Histórias de outras Civilizações

Os 3 indies de hoje falam de civilizações diferentes das que estamos habituados a ver representadas, umas reais, outra ficcional.

Análise, Caça ao Indie

Alex Kidd in Miracle World DX pode ter chegado tarde para a franquia

Alex Kidd in Miracle World DX pode ter chegado tarde para a saúde da franquia. Nesta análise tento explicar a razão para isso.

Análise

King of Seas: chamem-me o Pedro Ayres Magalhães, por favor

King of Seas é um jogo que na antevisão me deixou a salivar por mais, mas cujo resultado final é excessivamente superficial.

Análise

Biomutant: uma pequena lição para os grandes

Biomutant está pejado de falhas e fraquezas, mas é uma gradável lufada de ar fresco nos pontos em que acerta.

Análise

Wonder Boy: Asha in Monster World – preso em 1994

Wonder Boy: Asha in Monster World é apenas uma boa utilização de cel-shading sem qualquer qualidade de game e level design a acompanhar.