shooter

Caça ao Indie

A pessoa de aspecto aceitável e o monstro

É muito mais fácil fazer uma análise a um jogo que se gosta, por isso esta semana fiz um mix. Será que gostei de Sun Wukong vs Robot ou de Deeeer Simulator?

Análise

Chorus: a vastidão do espaço cabe numa arcada

Chegando de forma surpreendente e subtil ao mercado de videojogos, Chorus é uma das pérolas escondidas de um ano tépido.

Caça ao Indie

Piores que o Malamen

Por vezes há semanas em que tudo o que cai na rede não é peixe. Gosto de vos trazer pérolas brilhantes do mundo dos videojogos, mas nem sempre é possível.

Análise

Killsquad: um destino dos diabos

Killsquad é uma espécie de Destiny que se sente dividido entre o dungeon crawling de Diablo e a progressão de personagem de um MOBA.

A Hora do Meh

Monument: um Monu(meh)nto à banalidade

Monument, um FPS que é uma obra-prima da banalidade.

Análise

My Friend Pedro: I like to shoot, shoot, shoot Shotguns with Bananas

My Friend Pedro é como qualquer banana, parecia madura mas está verde numas partes e pisada noutras. Mesmo assim, come-se.

Análise

Generation Zero: coisas estranhas, coisas fracas

O grande crime de Generation Zero é que o seu ponto mais apelativo, o visual, rapidamente se esfuma e nos faz ver o que está por trás: um jogo repetitivo com um loop curtíssimo que envolve pouco mais que destruir robots.

Análise

Aftercharge: descarga assimétrica de boas ideias

Desde a primeira partida que sentimos que um dos grandes méritos de Aftercharge é o equilíbrio mecânico dentro da sua assimetria.

Caça ao Indie

Mais uma moedinha, mais uma trip

Os 3 jogos de hoje são uma espécie de trips videolúdicas em laivos de arcade.

Caça ao Indie

Fea of the dak? Fea of the daaaaaak!

Ion Maiden, Who’s in the box? e Zombie Serial Killer Incident mostram-nos que não é peciso te medo do escuo.