Xbox

Caça ao Indie

Afinal há jogos hardcor-de-rosa

Pinkman e Rabisco pegam nos géneros de acção e plataformas implacáveis e fazem-nos sentir bem recebidos na face de tanta morte.

Análise, Caça ao Indie

Omno corta mais nas gorduras que um cirurgião estético

Omno foi um jogo que joguei por impulso, mas talvez tenha sido dos jogos que mais prazer me deu jogar e fazer a análise nos últimos tempos.

Análise

F1 2021 deu-me uma bela dor de pescoço

Todos os anos os produtores tentam criar conteúdo que justifique ao jogador a compra da nova entrada na franquia. Será que F1 2021 justifica a aquisição?

Análise, Ia-me Esquecendo

Yes, Your Grace não fez o clique que faltava à nossa relação

Yes, Your Grace não é tudo o que esperava, mas há muito para gostar neste jogo.

Caça ao Indie

Apontar é feio, ensinou-me um britânico

Os dois jogos desta semana são aventuras point and click, por entre as tantas que o mercado nos oferece hoje em dia.

Caça ao Indie

Pecaminosa: a Pixel Noir Rant

Pecaminosa – A Pixel Noir Game é um jogo que segui durante imenso tempo, tendo esse tempo criado expectativas irrealistas sobre o que deveria esperar.

Caça ao Indie, Ia-me Esquecendo

Eis The Messenger, O Grande!

The Messenger é seguramente um dos meus jogos favoritos de sempre. Mais que uma análise este texto é uma carta aberta que mostra o quanto gosto dele.

Análise

Minecraft Dungeons: Hidden Depths. Este jogo não pára de crescer…

Minecraft Dungeons não pára de crescer, não só com os DLC, aqui Hidden Depths, mas todo o jogo vai tendo coisas novas adicionadas sempre que volto.

Análise

Destroy All Humans! foi o remake que ninguém pediu

Embora me tenha divertido a jogar, em nenhum momento estive plenamente satisfeito com Destroy All Humans! e mais foram as vezes em que quis parar.

Análise, Caça ao Indie

The Wild At Heart é uma carta de amor à Nintendo

The Wild At Heart tem o mérito de procurar reproduzir o melhor de muitas franquias Nintendo e mesmo assim manter-se original.