Conheci SENRAN KAGURA pelo suspeito do costume, a nossa mui-viajada galinha quasi-nipónica que é o Leonel, que se divertia há anos com a famosa série que põe diversas raparigas com atributos físicos bastante perceptíveis à luta para gáudio de qualquer adolescente a tentar equilibrar os seus níveis hormonais.

É inegável que a base de toda a série é um gigantesco e óbvio fan service, quase tão evidente quanto o tamanho dos seios das protagonistas. Sem falsos moralismos em torno da série, sobretudo porque sabemos que existe uma razão cultural para esta abordagem existir, e nem é esse o objectivo desta reflexão.

Temos, de forma isenta, perceber que para além de todo este exagero sexualizado, de todo este cumprimento de um estímulo visual sexual existem jogos bem executados dentro do seu género, em que o cuidado nas animações e nas mecânicas alavancaram o aspecto over-the-top (e without a top) para que o jogo e a série se tenham estabelecido por si só e que tenham florescido comercialmente.

Longe dos side scrolling beat’em ups da série principal, SENRAN KAGURA: Bon Appetit! é um rythm game sobre culinária. Quando pensamos que a franquia não se pode tornar ainda mais estranha, eis que o estúdio Meteorise decide lançar um dos enredos mais peculiares da série, ao unir todo o elenco de SENRAN KAGURA numa competição gastronómica mundial que não é mais do que a fachada para um velhote que em muito lembra o estereótipo do Tartaruga Genial de ver jovens raparigas com aventais muito reveladores.

Com uma grande componente de visual novel entre missões a apimentarem e condimentarem um jogo que poderia ser uma versão ainda mais errada e sexista de um sonho molhado do Gordon Ramsey, a componente de rythm game é, sem qualquer dúvida, uma das mais divertidas dos últimos tempos.

Sem grandes invenções (bebendo até de influência de tantos outros congéneres e de alguns mini-jogos da série Cooking Mama), SENRAN KAGURA: Bon Appetit! coloca-nos duas cenouras à frente dos olhos para conseguirmos ter o melhor score possível: o primeiro é ultrapassar os níveis e ter o melhor resultado possível, e por outro se conseguirmos resultados de sobremaneira bons, acabamos por fazer um prato tão delicioso que destrói a roupa da nossa adversária.

Há tanto de estranho em Bon Appetit! que as partes isoladas parecem não ter somatório possível. Mas dentro de todo o exagero típico de SENRAN KAGURA: Bon Apetit! estas bizarras componentes, as estranhas loucuras e irrealidades próprias da franquia que são transportadas para uma cozinha híper-sexualizada resultam na soma de um todo estranhamente funcional e acima de tudo divertido.

Se os rythm games já foram para tantas áreas distintas, levá-las para a gastronomia com uma pitada de picante parece apenas o caminho… natural.